Disbiose intestinal, conheça suas causas e tratamento

A disbiose intestinal está associada a inúmeras doenças, que incluem a obesidade, doenças autoimunes, os cânceres e depressão por exemplo. Durante muitas décadas a medicina não deu a devida atenção à microbiota intestinal (flora intestinal), porém nos últimos anos ela ganhou especial importância por estar associada a quase todas a doenças crônico degenerativas.

Toxinas

Não é novidade para ninguém que nas últimas décadas nossos hábitos alimentares mudaram para pior. Estamos consumindo cada vez mais alimentos processados e os alimentos em seu estado natural estão cada vez mais contaminados por antibióticos, hormônios, fertilizantes, agrotóxicos e pesticidas. Isso sem contar o empobrecimento do solo que produz alimentos com concentrações cada vez mais baixas de minerais e outros nutrientes.

O papel dos alimentos industrializados

O processamento industrial dos alimentos tem nos levado a comer quantidades cada vez maiores de carboidratos refinados, que estão presentes em quase tudo que comemos. Como os alimentos industrializados tem que durar mais tempo nas prateleiras, o número de aditivos presentes neles como os conservantes, acidulantes, flavorizantes e corantes é muito grande. E o pior é que ainda não sabemos ao certo como estes aditivos estão afetando nossa saúde.

Poluição ambiental

O número crescente de substancias estranhas que ingerimos com os alimentos aliado a quantidade absurda de poluentes ambientais que penetram em nosso corpo não só pela boca, mas também pela pele e pela respiração tem levado, do meu ponto de vista, da permeabilidade da mucosa intestinal e uma sobrecarga na função hepática de destoxificação.

disbiose intestinal
disbiose intestinal

Algumas doenças ligadas à disbiose intestinal

Estes fatores citados acima têm sido considerados por pesquisadores como os mais importantes na gênese de várias patologias que tinham baixa prevalência há 30 ou 40 anos atrás como obesidade, síndrome do cólon irritável, artrite reumatoide, vários tipos de câncer e algumas patologias ligadas ao sistema nervoso como TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade), autismo, depressão só para citar algumas.

A barreira intestinal

A mucosa intestinal é formada uma única camada de células (diferente da pele que possui várias camadas), que separa a luz intestinal da circulação sanguínea. Esta barreira celular pode ser considerada uma “peneira inteligente”, pois quando está funcionando normalmente consegue separar o que vai ser absorvido e levado até o fígado para metabolização e do que deve ser eliminado.

A microbiota intestinal

O processo de digestão, separação e absorção intestinal não poderia existir sem a ajuda da flora intestinal (hoje chamada de microbiota o microbioma intestinal). A microbiota intestinal é composta por bactérias, vírus, fungos e outros micro-organismos benéficos quase que na sua totalidade. O equilíbrio desta flora impede que micro-organismos patogênicos cresçam e provoquem doenças no corpo. O desequilíbrio da flora intestinal é chamado de disbiose intestinal.

100 trilhões de microrganismos dentro de nós

Em nosso corpo temos cerca de 10 trilhões de células e 100 trilhões de micro-organismos que habitam em sua maioria na flora intestinal. Apesar do número impressionante, a flora intestinal pesa relativamente pouco, cerca de 2 kg, e a cada evacuação mandamos embora boa parte dela, mas que logo é recomposta.

Aumento da permeabilidade intestinal

Quando substancias toxicas chegam ao nosso intestino elas lesam a mucosa aumentam a sua permeabilidade que se torna menos seletiva e com isso permite que grandes moléculas, toxinas, metais pesados e micro-organismos penetrem na circulação sanguínea. Todo esse “lixo” (via sistema porta) vai chegar o fígado, que quase sempre dá conta de se livrar das toxinas. Mas quando isso não acontece nosso sistema imune vai entrar em ação e começam as hipersensibilidades, as intolerâncias e as alergias alimentares e outras doenças ligadas ao sistema imune.

Disbiose intestinal e a microbiota

Atualmente estudos indicam que o tratamento da obesidade deve incluir também o tratamento da disbiose intestinal, fazer uma recomposição da microbiota intestinal. Existem várias espécies de micro-organismos no intestino, mas os lactobacilos e as bifidobactérias com suas cepas que parecem ter o papel importante no ganho de peso.

Como a flora intestinal desequilibrada causa obesidade

A disbiose pode levar ao aumento de peso por vários caminhos, vou apenas cita-los, pois ainda são objeto de estudos.

  • Aumento de absorção de gorduras
  • Alteração da glicemia e dos níveis de insulina
  • Indução de aumento da célula de gordura

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

Para seguir e curtir, clique abaixo

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa
Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990
Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993
CRM 43711

Deixe um comentário

1 Comentário em "Disbiose intestinal, conheça suas causas e tratamento"

Deixe uma resposta

Ordenar por:   Mais novo | Mais antigo | Mais Votado
wpDiscuz