Estatinas, saiba porque elas podem estar prejudicando a sua saúde

Estatinas estão entre as substâncias mais prescritas no mundo todo. Apesar de não concordar com o uso generalizado de medicamentos para reduzir o colesterol total, penso que as estatinas, que é o grupo de substancias mais usadas no mundo para controle dos níveis de colesterol, tem sim seu valor.

Existem sim casos, como a dislipidemia genética (hipercolesterolemia família), que ocorre em cerca de 1% da população mundial, onde seu uso é quase que obrigatório.

A restrição que faço é ao uso indiscriminado dessa substancia. Na Inglaterra, médicos já chegaram ao extremo de propor o uso absurdo de estatinas na água ou então para crianças, de forma generalizada, como forma de controlar os níveis de colesterol. Não tem como aceitar este tipo de exagero!

Nosso corpo precisa muito do colesterol

Nosso corpo usa o colesterol todos os dias para construir novas membranas celulares, na formação da vitamina D e na produção de todos os hormônios esteroides (testosterona, estradiol, cortisol entre muitos outros). Isto é, sem colesterol nosso corpo não funciona adequadamente. “O colesterol não é bandido, na verdade ele é mocinho”.

Diferentemente, do que muitas pessoas imaginam, estatinas não eliminam o colesterol do nosso corpo e nem tampouco impedem sua absorção pelo intestino. Na realidade os medicamentos à base de estatina, boqueiam uma enzima chamada, Hidroxi Metil Glutaril Coenzima A redutase (HMG-CoA redutase) no fígado, impedindo que ele produza o colesterol naturalmente para as funções corporais.

Na verdade, não existe colesterol ruim!

estatinas prejudicam saúde
estatinas prejudicam saúde

Embora a molécula de colesterol seja necessária e benéfica para nosso corpo, existem algumas delas, que em algumas situações podem ser lesivas, é o caso das LDLs.

Atualmente são conhecidos 11 subtipos de LDLs, que são classificadas de acordo com seu tamanho. Porém apenas as 2 menores é podem, se oxidadas ou glicadas, produzir lesões na parede dos vasos. Já existem hoje, nos USA, exames que dosam especificamente os níveis destas LDL oxidadas.

Como as estatinas reduzem o colesterol de forma uniforme, nós perdemos grande parte do colesterol que nós precisamos, para nos livrar de uma pequena parte das LDLs potencialmente lesivas. Seria algo como punir um grupo todos, por conta de dois maus elementos.

Estatinas agem como anti-inflamatórios 

Pesquisas mostram, que as estatinas têm sua ação, não exatamente por reduzirem o colesterol, sim por reduzirem o stress oxidativo (produzido principalmente pelo excesso de ferro no corpo), e por terem um efeito anti-inflamatório, reduzindo a PCR (proteína C reativa.

Estes dois efeitos acima citados, podem ser os verdadeiros responsáveis pela redução de dos ataques cardíacos, mas não tem a ver com a redução do colesterol total.

Estatinas podem provocar doenças neuromusculares

Entre os efeitos indesejáveis das estatinas estão a fraqueza e dores musculares. Porém outras doenças neuromusculares, como a ELA (esclerose lateral amiotrófica) também podem estar associadas ao uso das estatinas. Porém, nestes casos, a evolução e até a regressão deste quadro pode ser obtida, pela interrupção das estatinas.

Outros efeitos adversos das estatinas

Os efeitos colaterais das estatinas, são dose dependente. Os riscos à saúde podem ser potencializados por diversos fatores, como o uso de outros remédios.

Algumas das consequências de tomar remédios à base de estatina em doses altas ou por um longo período são:

  1. Cefaleia
  2. Erupções na pele
  3. Insônia
  4. Tonturas
  5. Edemas
  6. Gases
  7. Constipação
  8. Diabetes tipo 2
  9. Alterações na visão
  10. Dor na bexiga
  11. Boca seca
  12. Dor lombar
  13. Bolhas ou descamação na pele
  14. Diminuição da memoria
  15. Disfunção sexual
  16. Polineuropatias
  17. Disfunção hepática
  18. Degeneração do tecido muscular (rabdomiólise)
  19. Aumento do risco de câncer

Estes são apenas alguns dos efeitos indesejáveis do uso por longos períodos e/ou

Se precisar mesmo usar alguma estatina, você precisa tomar CoQ10

O mesmo caminho que as estatinas usam para inibir a enzima que o fígado usa para produzir colesterol, pode causar a supressão do precursor da coenzima Q10 (CoQ10), um antioxidante que as mitocôndrias usam para produzir energia. Quando o corpo tem deficiência de CoQ10, a produção de energia pela mitocôndria fica reduzida.

Quando se usam remédios à base de estatina sem tomar o CoQ10, a saúde fica prejudicada. Infelizmente, isso ocorre com a maioria das pessoas que tomam estatinas. A perda de energia no nível celular pode danificar seu DNA mitocondrial e acionar um ciclo vicioso de aumento de radicais livres e danos mitocondriais.

A CoQ10, deve ser usada em concomitância com qualquer estatina, para melhorar a produção de energia pelas mitocôndrias e também para prevenir insuficiência cardíaca, pois por incrível que pareça, as estatinas podem lesar os músculos cardíacos.

Porém, sabemos que a CoQ10, quando usada por via oral, tem baixa absorção, cerca de 10% apenas. Para evitar isso, o ideal é usá-la na forma sublingual, ou na forma reduzida da CoQ10, o Ubiquinol.

Existem outros marcadores cardiovasculares, melhores que o colesterol total

O colesterol total não é a causa das doenças cardíacas, a menos que ele esteja bem acima de 300.

Outros fatores de risco cardíacos são muito mais importantes, como, PCR, homocisteína, fibrinogênio, apolipoproteínas, lipoproteína A.

Também mais importantes que apenas o valor do colesterol total, são as relações CT/HDL, LDL/ e TG/HDL e o LDLox, exame não existente ainda no Brasil.

A insulina não é um marcador especifico para risco cardiovascular. Porém, quando indica algum grau de resistência à insulina, pode indicar um erro no metabolismo da glicose, aumentando assim o risco cardiovascular. O que por sua vez pode levar ao aumento de triglicérides e do colesterol total. Nestes casos, em especial, as LDLs oxidadas e principalmente glicadas estarão elevadas, aumentando assim o risco cardiovascular.

Como melhor naturalmente os níveis de colesterol

Como já disse acima, do meu ponto de vista, único motivo real para tomar remédios para reduzir o nível de colesterol é em casos de hipercolesterolemia hereditária, que é genético, começa no nascimento, aumenta os níveis de LDL, causando, às vezes, ataques cardíacos em idades precoces.

O fato é que 75% a 80 % do nosso colesterol é produzido pelo fígado, e sofre influência dos níveis de insulina. Isso significa também que, se você reduzir os níveis de insulina, também estará por tabela, melhorando os níveis de colesterol. Para isso é importante que façamos mudanças em nossos hábitos alimentares para regular a glicemia, a sensibilidade à insulina e por consequência os níveis de colesterol.

Os exercícios também são muito uteis nestes casos, pois ajudam a reduzir a glicemia e a Insulinemia, e por consequência os níveis de colesterol.

Dicas para reduzir naturalmente o colesterol:

  1. Otimizar os níveis de vitamina D: A boa exposição ao sol ajudará a normalizar os níveis de colesterol e a evitar doenças cardíacas
  2. Reduzir os carboidratos, principalmente a frutose: reduzir consumo de grãos e açúcares. Açucares e frutose, fazem o nível de insulina disparar e acionam a síntese de colesterol.
  3. Omega 3: ingerir gorduras ômega 3 de origem animal de alta qualidade. Outros alimentos saudáveis para o coração são: azeite de oliva, coco e óleo de coco, laticínios e ovos orgânicos, abacate, nozes e sementes cruas.
  4. Reduzir o stress e praticar exercícios diariamente
  5. Melhorar a qualidade do sono, pois noites mal dormidas podem elevar os níveis de insulina e cortisol.
  6. Evitar os óleos vegetais: Substitua os óleos vegetais e as gorduras trans prejudiciais, por gorduras saudáveis, como o azeite de oliva, manteiga e óleo de coco (lembre-se que o azeite deve ser usado somente frio; use o óleo de coco para cozinhar e assar).

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

 

.

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990 Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 CRM 43711

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe uma resposta

wpDiscuz