Medicina Ortomolecular, saiba o que ela pode tratar

A Medicina Ortomolecular procura destoxificar, nutrir e otimizar o funcionamento do organismo, prevenindo e tratando doenças, e proporcionando um envelhecimento saudável e uma melhor qualidade de vida. Sua base é a fisiologia e a bioquímica, que todos os médicos aprendem no início dos cursos de medicina.

Sua saúde já foi otimizada alguma vez?

Na nossa cultura, só se vai ao médico quando se adoece. De forma geral as pessoas não sabem que podem ser tratadas para otimizar o funcionamento do seu organismo e curas e evitar o surgimento de várias doenças.

As Causas básicas das doenças

Com o avanço da ciência, hoje já conseguimos identificar muitos fatores que produzem doenças e envelhecimento precoce do nosso corpo. Estes são alguns deles: alimentação inadequada, stress, produção excessiva de radicais livres, danos frequentes ao DNA, inflamação crônica subclínica, glicação, redução do metabolismo, sedentarismo, redução da imunidade, radiações eletromagnéticas, destoxificação deficiente, produção e função inadequada de neurotransmissores e hormônios, entre outros.

Felizmente quase todos estes fatores podem ser corrigidos, com algumas mudanças no nosso estilo de vida, mais algumas ações terapêuticas. Mas é importante entender que é um processo que deve ser seguido por bom tempo, e não apenas mudanças pontuais ou uso de alguma fórmula mágica.

O papel da alimentação na Medicina Ortomolecular

medicina ortomolecular
medicina ortomolecular

A alimentação inadequada é um dos fatores mais importantes, pois a ingestão constante de alimentos nocivos ao nosso organismo provoca um processo inflamatório ao nível da mucosa intestinal, seguido de uma alteração da permeabilidade da parede intestinal, que por sua vez altera a absorção dos nutrientes. Soma-se a isto a presença em larga escala de agrotóxicos nos alimentos, metais pesados e parasitas intestinais, agravando este estado.

Eliminar toxinas

Para corrigir este quadro, temos de ir além da correção alimentar, temos que primeiramente eliminar os metais pesados, agrotóxicos, pesticidas e parasitas intestinais. Feito isto, e com uma alimentação adequada, nosso corpo ira aproveitar melhor os nutrientes da própria alimentação. Não existe uma alimentação padrão boa para todo mundo.

Podemos escolher nossos alimentos de acordo com o tipo sanguíneo ou de acordo com a biotipologia, ou outros métodos que levem em consideração a individualidade de cada pessoa.

Microrganismos e parasitas, eliminar é preciso

Em nosso corpo temos bilhões de micro-organismos, que nos são muito úteis, e vivem em harmonia conosco, ajudando na digestão e produção de vitaminas. Mas também temos vários parasitas, que devem ser eliminados, pois roubam nossos nutrientes e lesam nossa saúde. Entre eles está a Candida albicans, responsável além da candidíase, por inúmeros outros sintomas.

Detox

Com o uso excessivo de produtos industrializados, medicamentos químicos, ar e água poluídos, o nosso corpo tem dificuldades para se desintoxicar. O órgão que mais sofre é o fígado, o “filtro” do nosso sangue, mas os rins e os intestinos e a pele também sofrem com as toxinas

Este fato nos mostra a importância de fazermos um processo de destoxificação dos vários sistemas orgânicos. Sabe-se hoje que a intoxicação por alumínio pode provocar Alzheimer e Parkinson.

Inflamação crônica silenciosa

A inflamação aguda é um mecanismo de reparo extremamente útil para nossa recuperação das agressões que sofremos, mas ela deve ser sempre de curta duração. Quando nosso corpo está cronicamente intoxicado, por algumas substâncias (toxinas) e mesmo alguns alimentos, desencadeiam um processo inflamatório crônico, sem dor ou outras manifestações clínicas perceptíveis.

Mas as pesquisas mais recentes mostram que está inflamação crônica está na origem de praticamente todas as doenças crônicas. Entre as principais são as doenças neuro degenerativas, (Parkinson, Alzheimer) e as doenças cardiovasculares, que ao contrário do que se pensa, não são só devidas ao colesterol, fumo e obesidade.

Obesidade + Diabetes = Diabesidade

O modo de vida sedentário e o consumo de alimentos industrializados em excesso têm causado aumento da obesidade e dos casos de diabetes tipo 2. O principal mecanismo envolvido nestas alterações chama-se glicação. A glicação ocorre porque existe muito açúcar no sangue, que “carameliza” as membranas das células, impedindo seus receptores funcionem corretamente.

Com o açúcar (glicose) fora das células, as pessoas ficam cansadas sem e energia, e sempre querendo comer mais carboidratos. Forma-se um ciclo vicioso, cujo resultado mais visível é a obesidade, que já é considerada uma epidemia mundial. O uso de carboidratos complexos (integrais) em conjunto com alguns medicamentos podem corrigir este quadro.

A Tireoide e o nosso metabolismo 

Outro aspecto importante é a redução do metabolismo basal. Cerca de 70 a 75% das nossas calorias são gastas por nosso metabolismo basal (MB). Nosso MB depende muito do nosso tecido muscular, que gasta energia mesmo em repouso, daí a importância de termos uma atividade física regular e adequada.

A tireoide é quem controla nosso metabolismo, e muitas vezes seu funcionamento mais lento por não ser detectado pelos exames, e acaba ficando sem tratamento. Os principais sintomas de hipofunção da tireoide são: ganho de peso, constipação, irregularidades menstruais, pele e cabelos secos, unhas fracas, cansaço constante, entre outros.

Dietas hipocalóricas, valem mesmo a pena?

Hoje sabemos que as dietas de poucas calorias tendem ao fracasso, pois quanto mais se reduz a quantidade de alimentos, mais o corpo reduz o metabolismo, isto é, comer menos faz o corpo gastar queimar menos calorias.

O jejum intermite pode ser útil no emagrecimento, mas longos períodos sem alimentação forçam o corpo a converter músculos (proteína) em energia, levando a perda do tecido que mais queima calorias. Portanto para se fazer jejum intermitente, deve buscar ajuda de um profissional da saúde. Se você ainda pensa que para emagrecer tem que “fechar a boca”, saiba que está muito longe da verdade científica atual.

Você não vai ser emagrecida (o) por seu médico!

Para aumentar o metabolismo além da atividade física, existem certos alimentos e medicamentos que podem ajudar.

Mas quem quer emagrecer deve entender que não pode ser emagrecida pelo médico, é essencial compreender que o excesso de peso decorre de uma série de desequilíbrios e que não existe e não existirá um remédio único que equilibre todos os fatores envolvidos na obesidade.

O emagrecimento deve ser resultado do equilíbrio geral do organismo, e não um objetivo a ser alcançado a qualquer preço. Se você não concorda com estas colocações, por favor, esqueça este tratamento, ele não é para você.

Mitocôndrias, as nossas usinas de energia

Na realidade o grande “queimador” de calorias que temos chama-se mitocôndria, que são estruturas que existem dentro das células e transformam a glicose em energia, é um tipo de micro usina de energia. Esta geração de energia depende do oxigênio, e um dos seus subprodutos são os radicais livres (RL), que ganharam notoriedade nos últimos tempos.

A origem dos Radicais Livres

Os RL são apontados hoje como um dos maiores responsáveis pelo envelhecimento, pois lesam as membranas celulares e o nosso material genético (DNA).

Para tentar solucionar esta condição, surgiu a Medicina Ortomolecular. O uso de vitaminas, minerais, aminoácidos e fito nutrientes, ajudam a reduzir muito as alterações produzidas pelos RL.

Além das mitocôndrias, outros grandes geradores de RL são: o stress, o fumo, exposição solar excessiva, exercícios físicos intensos entre muitos outros. Um assunto ainda pouco considerado pela medicina convencional são as radiações eletromagnéticas.

Radiações Eletromagnéticas, inimigos invisíveis

O desenvolvimento tecnológico nos faz conviver com vários aparelhos eletrodomésticos e eletroeletrônicos, que emitem constantemente radiações ionizantes, que provocam muitas alterações em nosso corpo energético. Infelizmente ainda temos poucos meios para nos livrarmos destes efeitos nocivos.

Diagnóstico e Tratamento

Para fazer um diagnóstico do que precisa ser corrigido, a Medicina Ortomolecular usa os exames laboratoriais rotineiros e também um bem especifico que é o mineralograma, que pode ser feito através do cabelo ou do sangue.

O tratamento, dependendo de cada caso pode ser feito com Fitoterapia (ervas), Vitaminas, Sais Minerais, Fitonutrientes, Oligoelementos, Homeopatia entre outras; além de propor mudanças nos hábitos alimentares e no estilo de vida.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

Para seguir e curtir, clique abaixo

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa
Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990
Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993
CRM 43711

Deixe um comentário

3 Comentários em "Medicina Ortomolecular, saiba o que ela pode tratar"

Deixe uma resposta

Ordenar por:   Mais novo | Mais antigo | Mais Votado
wpDiscuz