Reposição de Magnésio, saiba como a deficiência pode afetar a sua saúde

reposição magnésio
reposição magnésio

O magnésio é um mineral extremamente importante para o nosso corpo. A maior parte dele está armazenada nos ossos e órgãos. Como é um mineral intracelular, sua dosagem no sangue não consegue refletir com exatidão seus níveis reais.

Sintomas como cansaço fácil, fraqueza muscular, arritmias cardíacas, câimbras e espasmos musculares, podem ser indicadores de falta de magnésio.

Pesquisas americanas dão conta de 80% dos americanos apresentam carência de magnésio. Acreditasse que no Brasil a situação seja semelhante, pois tanto o solo brasileiro quanto o americano são carentes em magnésio.

A dose recomendada de magnésio é de cerca de 400 mg/dia para homens e 300 mg/dia. Porém estas são as doses mínimas para minimizar deficiências, doses mais altas são necessárias para manter nossa fisiologia otimizada. Estas doses maiores são calculadas levando-se em conta o peso do paciente.

19 Problemas de saúde associados à deficiência de Magnésio

O magnésio tem sido mais associado aos músculos e o coração, mas estudos mostram que ele está presente em quase 4000 proteínas em nosso corpo.

O magnésio também participa em mais de 350 enzimas diferentes em nosso corpo, e desempenha um papel importante nos processos de destoxificação do nosso organismo, ajudando a reduzir os danos causados por produtos químicos ambientais, metais pesados e outras toxinas.

O magnésio é necessário também para:

  1. Os músculos e nervos
  2. Gerar energia, ativando a adenosina trifosfato (ATP)
  3. Atuar como precursor de neurotransmissores como a serotonina
  4. Servir como um bloco de construção para a síntese de RNA e DNA
  5. Digestão de proteínas, carboidratos e gorduras

A carência de Magnésio está associada a inúmeras patologias, como se pode ver a seguir:

  1. Ansiedade
  2. Crises de pânico
  3. Asma
  4. Doenças intestinais
  5. Cistites
  6. Depressão
  7. Diabetes
  8. Fadiga crônica
  9. Hipertensão arterial
  10. Doenças cardiovasculares
  11. Hipoglicemia
  12. Insônia
  13. Enxaqueca
  14. Doenças musculoesqueléticas: fibromialgia, dores crônicas, câimbras
  15. Osteoporose
  16. Doença de Raynaud
  17. Problemas nos nervos
  18. TPM
  19. Eclampsia

O papel do Magnésio no diabetes, câncer e outras doenças

Além da importância do magnésio para os ossos, coração, músculos e muitas doenças crônicas, ele também é essencial para regulação do metabolismo da glicose, reduzindo a resistência insulínica, e desta forma podendo prevenir o desenvolvimento ou a evolução do diabetes.

Por conta desta ação do magnésio sobre a resistência insulínica, descobriu-se também, que ele pode, por reduzir esta resistência, diminuir a incidência de câncer de intestino

Sabemos que, para saúde óssea o cálcio é extremamente importante, mas tão importante quando ele é o magnésio, pois estes minerais junto com as vitaminas D3, K2 e o colágeno são os principais constituintes do tecido ósseo.

Fatores que podem influenciar os níveis de Magnésio

Em função da carência e magnésio no nosso solo, é difícil conseguirmos quantidades suficientes deste mineral apenas pela dieta.

Herbicidas como o glifosato também atuam como quelantes, diminuindo a absorção e utilização de minerais pelo corpo. Como resultado disso, é difícil encontrar alimentos realmente ricos em magnésio e outros minerais importantes.

Entre os alimentos que são boas fontes de magnésio estão: os vegetais de folhas escuras (espinafres, couve, acelga), as algas, o abacate, nozes, sementes de girassol, abóbora e gergelim por exemplo.

Existem alguns fatores que podem interferir na absorção do magnésio, além dos pesticidas e herbicidas:

  1. Ingestão excessiva de refrigerante ou cafeína
  2. Menopausa
  3. Idade mais avançada (os adultos mais velhos são mais suscetíveis a ser deficientes em magnésio porque a absorção diminui com a idade e os idosos são mais suscetíveis a tomar remédios que podem interferir na absorção)
  4. Certos remédios como: diuréticos, antibióticos (como gentamicina e tobramicina), corticosteroides (prednisona), antiácidos e a insulina
  5. Existem algumas doenças do sistema digestivo que podem prejudicar a capacidade de absorver o magnésio, como a doença de Crohn, aumento de permeabilidade intestinal, síndrome do intestino irritado entre outras

O Cálcio, a Vitamina K2, a Vitamina D e o Magnésio devem estar em equilíbrio 

Quem está consumindo qualquer um dos seguintes: magnésio, cálcio, vitamina D3 ou vitamina K2, precisa levar em consideração todos eles em conjunto, pois eles funcionam de forma sinérgica, isto é, um dá suporte ao outro.

Por exemplo, sabemos que a vitamina K2, mantém o cálcio onde ele deve ficar. Caso se use suplemento de cálcio sem a vitamina K2, este cálcio em excesso poderá se acumular na parede dos vasos, causando a formação de placas ateromatosas, que poderão causar AVCs e obstrução das coronárias, por exemplo.

Outra situação, seria o caso de se consumir vitamina D via oral, sem suplementar vitamina K2 e magnésio. Consumir altas doses de vitamina D sem quantidades suficientes de vitamina K2 e magnésio pode levar a sintomas de toxicidade por vitamina D e deficiência de magnésio, levando à uma calcificação inadequada.

A suplementação de magnésio não deve ser feita de forma isolada, pois os níveis este mineral tem relação com os níveis do cálcio, é um desequilíbrio desta proporção, pode levar a casos de morte súbita por falência cardíaca.

Esta situação pode ocorrer por exemplo, quando se transpira muito, por atividade física ou sauna, onde se perde muito magnésio, e o coração para de bater. Nestes casos, não é um enfarto do miocárdio, mas uma parada cardíaca, por excesso de cálcio e falta de magnésio, o coração contrai e não consegue relaxar, por falta de magnésio. Este quadro não é comum, mas pode ocorrer mesmo em adultos jovens.

A falta de equilíbrio entre esses nutrientes é uma das razões pelas quais os suplementos de cálcio se tornaram associados a um aumento no risco de ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais.

Quando os níveis de vitamina K2 otimizados, ele consegue remover os excessos de cálcio que se acumula nos vasos e tecidos moles, e direciona-lo para os ossos, evitando assim osteoporose e doenças cardiovasculares.

Consumir altas doses de vitamina D, sem quantidades suficientes de K2 e magnésio pode levar à sintomas de deficiência de magnésio, que incluem a calcificação inadequada dos vasos, que pode levar a doenças cardiovasculares.

A proporção Cálcio/Magnésio é muito importante

 As mulheres têm sido aconselhadas a consumir suplementos à base de cálcio para evitar osteoporose. Muitos alimentos foram fortificados com cálcio para evitar a deficiência de cálcio na população em geral.  Apesar de tais medidas, a osteoporose continua ocorrendo.

Durantes muitas décadas acreditamos que precisaríamos de duas vezes mais cálcio do que magnésio. A maioria dos suplementos reflete isso. Com esta recomendação, estamos em uma situação que as pessoas estão consumindo 1.200 a 1.500 miligramas de cálcio e alguns miligramas de magnésio.

A proporção 2:1 foi um erro; originado de uma tradução errônea do pesquisador Francês Jean Durlach, que disse: “Jamais supere duas partes de cálcio para uma parte de magnésio ao consumir alimentos, água ou suplementos combinados.”

Isto foi mal interpretado como se a proporção 2:1 fosse a proporção adequada, e não está correto. A proporção mais adequada de cálcio para magnésio é 1:1.

Fontes naturais de Cálcio e Magnésio

Podemos consumir quantidade suficiente de cálcio através das castanhas, sementes, verduras de cor verde-escura e produtos lácteos.

A agricultura moderna empobreceu a maior parte dos solos contendo minerais benéficos, tais como o magnésio. Alimentos orgânicos cultivados biologicamente (cultivados em solo tratado com fertilizantes minerais), podem ainda conseguir boas quantidades de magnésio através do alimento.

A clorofila possui um átomo de magnésio em seu núcleo, permitindo que a planta use a energia do sol.

Alga marinha e vegetais de folhas verdes, tais como espinafre e acelga, são excelentes fontes de magnésio, assim como feijões, castanhas e sementes, como as de abóbora, girassol e gergelim, por exemplo.  Abacates também contêm magnésio.

Dicas para aumentar os níveis de Magnésio

Sucos verdes de vegetais orgânicos, são uma boa forma natural de elevar os níveis de magnésio, porém a quantidade de magnésio varia de acordo com o solo em que foram plantados esses vegetais.

O uso de suplementos de magnésio, do meu ponto de vista, é a forma mais prática, pois a maior parte das pessoas não tem determinação suficiente para consumir o suco verde regularmente de forma diária.

Existem vários compostos de Magnésio

Existem vários compostos de magnésio disponíveis atualmente. Cada um deles apresenta quantidades diferentes de magnésio, e também absorção e biodisponibilidade diferentes.

A seguir apresento uma lista com alguns compostos de magnésio e suas indicações:

Magnésio glicina: é uma forma quelada de magnésio que fornece níveis os mais altos de absorção e biodisponibilidade e é tipicamente considerado ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência deste mineral.

Cloreto de Magnésio: apesar de conter apenas 12% de magnésio, ele tem uma absorção melhor do que outros compostos, como o óxido de magnésio, que contém cinco vezes mais magnésio.

Carbonato de Magnésio: possui propriedades antiácidas, contém 45% de magnésio, porém apresenta baixa biodisponibilidade.

Sulfato de Magnésio e Hidróxido de Magnésio: (leite de magnésia) são tipicamente usados como laxantes.

Citrato de Magnésio: é o magnésio com ácido cítrico, que como a maioria dos suplementos de magnésio tem propriedades laxantes, é bem absorvido e de baixo custo.

Taurato de Magnésio: contém uma combinação de magnésio e taurina, que é um aminoácido. Juntos, eles tendem a proporcionar um efeito calmante.

Treonato de Magnésio: é o mais novo suplemento de magnésio Devido à sua capacidade de penetrar a membrana mitocondrial e também a barreira hematoencefálica, pode ser útil no tratamento e prevenção da demência senil, Alzheimer e na melhora da memória. Atualmente é um suplemento de magnésio ainda muito caro.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

Para seguir e curtir, clique abaixo

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa
Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990
Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993
CRM 43711

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe uma resposta

wpDiscuz