Colesterol e Risco Cardiovascular, Entenda Seus Exames

Nas últimas décadas médicos e pacientes, sempre têm ouvido falar que, o colesterol é o grande vilão da saúde cardiovascular.

Mas ao que tudo indica, este conceito está começando a ser questionado por número cada vez maior de pesquisadores.

Entenda seus exames, e veja as correlações entre Colesterol e Risco Cardiovascular.

Estudos nos mostram, que a redução do colesterol, não necessariamente nos torna mais saudáveis.

Baixos níveis de colesterol podem aumentar por incrível que pareça, o risco de morte por doenças cardiovasculares e câncer.

Colesterol muito baixo, está associado a perda de memória, diminuição da produção de hormônios esteroides, e consequente piora da atividade sexual, mas isso é apenas uma parte das consequências.

O Colesterol não é Vilão!

colesterol ldl alto, colesterol hdl alto, qual colesterol bom, colesterol ruim e bom, colesterol hdl é bom ou ruim, colesterol normal valor, colesterol bom hdl, colesterol total referencia, colesterol muito baixo, colesterol muito alto, colesterol e frações, colesterol qual o normal, o que colesterol alto pode causar, qual colesterol bom e ruim, o que colesterol hdl

A molécula de colesterol é uma das moléculas mais abundantes em nosso corpo, nosso Criador não seria cruel ao ponto de nos fazer produzir em grande quantidade algo que nos fizesse tão mal!

Na verdade, o colesterol, nunca foi bandido, sempre foi mocinho, como veremos a seguir.

O colesterol que está correlacionado, mas não é a causa, das doenças cardiovasculares.

Na realidade, a oxidação de parte da fração LDL do colesterol, é que é a responsável pela lesão do endotélio, que é o revestimento internos dos vasos.

Esta oxidação, pode ser causada principalmente pelo excesso de radicais livres.

A ideia de que o colesterol nos faz mal está tão enraizada em nós, que ter níveis normais ou baixos de colesterol, passou a significar quase que uma garantia de saúde cardiovascular.

Mas isso não corresponde aos fatos. Estudos mostram que mais de 65% das pessoas infartadas apresentam colesterol total normal ou baixo!

Entenda o Seu Perfil Lipídico

Vamos entender alguns lípides que temos circulando em nosso corpo, e como eles estão relacionados com o nosso risco cardiovascular. Não é apenas o valor do colesterol total que vai determinar esse risco.

HDL Colesterol

O HDL é conhecido como bom colesterol. Ele pega o colesterol circulante no sangue que não foi utilizado e leva de volta para o fígado.

Por esse motivo ele é considerado “bom” e protetor.

Hoje sabemos que existem 3 tipos de HDL (tipo 1, 2 e 3).

O tipo 2 é benéfico e o 3 parece não ser tão bom assim e o tipo 1 é neutro.

LDL Grandes e Leves são Essenciais

O LDL é o “mau” colesterol, mas só que não!

Existem 11 subtipos de LDL, que são classificados de acordo com seu tamanho.

As LDLs grandes e leves são em número de 9, e elas não causam nenhum tipo de problema cardiovascular.

LDL Pequenas e Densas

Existem 2 LDLs pequenas e pesadas, que podem quando em níveis elevados, aumentar o risco cardiovascular.

Existem vários fatores alimentares que fazem com que as LDLs pequenas aumentem, como: uso excessivo açúcar refinado, frutas, refrigerantes, farináceos e carboidratos refinados em geral.

Além dos fatores alimentares, outras condições também podem elevar as LDLs menores, como: sedentarismo, ausência de sono reparador, disbiose intestinal, toxinas ambientais, resistência à insulina e à leptina, entre outros.

Apolipoproteínas

As apolipoproteínas são a parte proteica que compõem o HDL e LDL.

A Apo A-1 está ligada ao HDL, e é antiaterogênica, isto é, evita a formação de placas nas artérias.

A Apo B, ligada ao LDL, indica uma ação aterogênica aumentada.

Mas os valores absolutos de Apo A1 e Apo B, não é tão relevante quando o valor que resulta quando dividimos Apo B/Apo A-1.

Triglicerídeos

Níveis elevados de triglicerídeos, são a meu ver, quando vistos de forma isolada, indicadores de risco cardiovascular, melhor do que o colesterol total.

Excesso de consumo de carboidratos refinados, como farinhas brancas e açúcares, levam ao aumento de triglicerídeos.

Lipoproteína (a)

A Lipoproteína A é um marcador genético de predisposição a doenças cardiovasculares (infarto) e cerebrovasculares (AVCs).

A Lp(a) foi identificada em 1963 e é um tipo de lipoproteína que contém uma molécula de Apolipoproteina B100 (como todas as LDL), ligada à Apoproteina (a).

Ou seja, é um tipo de LDL, em que há adição de outra molécula, a Apo(a), que lhe confere diferentes características e funções.

Quando elevada, pode indicar uma predisposição à aterosclerose.

Funções do Colesterol

  • Desempenha papel importante na estrutura da membrana celular;
  • Interage com proteínas dentro da célula;
  • Colabora na regulação proteica necessária para a sinalização celular;
  • Importante para fabricar a vitamina D quando você se expõe aos raios solares;
  • Sintetiza todos os hormônios esteroides.
  • Imprescindível para o funcionamento adequado do cérebro.
  • Importante para a manutenção da memória e da cognição
  • Saúde intestinal

Como disse no início, o colesterol não é vilão, mas sim uma molécula extremamente importante para a nossa vida.

Conheça os Melhores Indicadores Lipídicos de Doença Cardiovascular

Para avaliação do risco cardiovascular, existem algumas proporções que são muito mais confiáveis do que apenas o valor absoluto dos marcadores.

  • Colesterol Total/HDL: deve ser < 3,5
  • LDL/HDL: deve ser < 3
  • Triglicerídeos/HDL: deve ser < 2
  • Apo B/Apo A-1: deve ser > 0,69 em homens e > 0,59 em mulheres
  • Lipoproteína (a): < 32

Estes valores podem variar um pouco, mas são os os mais utilizados no dia a dia.

Outros Marcadores Importantes de Saúde Cardiovascular

Marcadores de inflamação crônica

  • A PCR ultra sensível, do meu ponto de vista é o marcador mais importante do risco cardiovascular, pois quando elevada, pode estar indicando a presença de um processo inflamatório crônico persistente, que por sua vez, aumenta a chance de termos uma quantidade maior de LDLs pequenas oxidadas, que irão lesar o endotélio vascular. Valores: abaixo de 0,11 são ideais.
  • A Ferritina é a proteína que estoca o ferro no nosso corpo. O ferro é um mineral extremamente oxidante, logo ferro elevado no sangue vai oxidar as pequenas moléculas de LDL. A Ferritina também é bom marcador inflamatório, quanto mais elevada, mais inflamado. Valores de referencia para mulheres vão de 10 a 290 ng/mL e para homens de 20 a 320 ng/mL.
  • O Fibrinogênio é uma proteína plasmática percussora da fibrina, que por sua vez está associada a formação de coágulos. De forma isolada, assim como a PCR, também é um ótimo marcador para risco cardiovascular. Valor deve estar entre 200 a 400 mg/dl.
  • A Homocisteína é um aminoácido derivado da falta de metilação da metionina. A homocisteína elevada é provocada pelo consumo excessivo de proteínas, principalmente da carne vermelha. Pode provocar lesões nas paredes dos vasos sanguíneos, levando ao surgimento de doenças cardiovasculares. Valores de referencia de 7,7 a 22,23micromol/L para homens e 5,7 a 17,8 micromol/L para mulheres.
  • A Insulina e a Glicose plasmática, quando elevadas de forma persistente, atuam como um fator inflamatório, produzindo lesões nas paredes dos vasos, e predispondo a doenças cardiovasculares. Valor de referencia para insulina, varia de 3,0 a 25 microUI/mL e da glicose vai de 60 a 99 mg/dL.

Resumindo, além da dosagem do colesterol total e frações, sabemos que existem pelo menos outros 30 indicadores de risco cardiovascular, que são pouco utilizados, e que poderiam, quando usados em conjunto, mostrar com muito mais precisão o verdadeiro grau de risco para doenças cardiovasculares.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Formação e Pós-Graduação Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp em 1981 Pós-Graduação em Homeopatia, pela Associação Médica Homeopática do Paraná Título de especialização em Homeopatia pela Associação Médica Brasileira de Homeopatia (AMHB) em 1990. RQE: 69860 Pós-Graduação em Acupuntura pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) Título de especialização em Acupuntura pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura (CBA) em 1993. RQE: 69859 Livros Publicados “Mudança de Hábito Alimentar”, publicado em 1995, atualmente na 4ª edição “Emagrecer, porque só fechar a boca não resolve”, primeira edição em 2014. Áreas de Atuação A nossa atuação se dá nas áreas de Homeopatia e Acupuntura. A proposta do meu trabalho, é através de um tratamento personalizado, considerando a individualidade bioquímica, mental e emocional de cada pessoa, não apenas tratar doenças, principalmente preveni-las. A busca pelo equilíbrio bioquímico e energético, é o melhor caminho para atingirmos um nível ótimo de saúde, e com isso ampliarmos ao máximo nosso período de vida saudável, e encurtarmos o nosso período de doença. Este objetivo pode ser atingido através de várias estratégias, que vão da mudança de estilo de vida, de hábitos alimentares, eliminação de toxinas que nos fazem adoecer, e pela suplementação de vitaminas, minerais, nutracêuticos e fitonutrientes. Terapias como Homeopatia, Acupuntura e Reposição de Nutrientes são ótimas ferramentas para tratarmos desequilíbrios de ordem física, mental e emocional, e podem ser utilizadas quando necessárias. Mudanças no estilo de vida, como atividade física regular e adequada, redução do stress e sono reparador são essenciais para atingirmos esses objetivos. Em suma, o nosso objetivo, é tratar o paciente de uma forma personalizada e mais completa possível.

Deixe um comentário