Fadiga Adrenal ou Síndrome de Burnout conheça os Sinais

Se você é estressado, sente cansaço constante, dificuldade para sair da cama pela manhã, fica ligado à noite, está sempre irritado, explode por qualquer coisa, concentração e memória estão diminuídas, a imunidade está baixa e tem desejo de carboidratos aumentado, talvez você esteja com Fadiga Adrenal ou Síndrome de Burnout, conheça os sinais e sintomas .

Certamente, a Fadiga Adrenal ainda é um quadro pouco diagnosticado por nós médicos. Quando pensamos nas adrenais, o que nos vem à mente são patologias como Doença de Addison, ou a Síndrome de Cushing.

Nos tempos atuais, todos estamos o tempo todo submetidos a algum grau de stress, que pode ser leve e transitório, mas em muitos casos pode ser intenso e prolongado.

Sabemos que o stress em seus vários graus de intensidade, afeta a glândulas adrenais de várias formas.

Fadiga Adrenal ou Síndrome de Burn Out

As Glândulas Adrenais

As adrenais são pequenas glândulas que estão localizadas sobre os rins, como dois chapeuzinhos. Apesar de seu pequeno tamanho, elas são responsáveis pela produção vários hormônios importantes.

As adrenais são constituídas por duas porções, o córtex e a medula.

A medula adrenal, que é a parte mais interna, produz as catecolaminas: noradrenalina e adrenalina.

O córtex da adrenal secreta três tipos de hormônios: na camada mais externa do córtex os mineralocorticoides (aldosterona), na camada intermediária os glicocorticoides (cortisol e corticosterona) e na parte mais interna do córtex os androgênios (hormônios sexuais masculinos e femininos).

As glândulas adrenais são importantes no controle da pressão arterial, ciclo do sono, da imunidade, do metabolismo do sódio, do potássio, da água, dos carboidratos entre outras funções.

Causas da Insuficiência Adrenal

Durante os últimos anos a fadiga adrenal vem ocorrendo de forma quase que epidêmica, podemos dizer.

Vários fatores estão envolvidos na geração deste distúrbio como por exemplo:  stress prolongado e/ou intenso, várias formas de medo, preocupações constantes, pressão no trabalho, em casa, na escola, crises financeiras, crises afetivas, doenças graves e/ou crônicas, perdas de entes queridos, violência urbana apenas citando alguns fatores.

Nas fases iniciais do stress a adrenal reage produzindo muito cortisol, e se este quadro se prolonga por muito tempo a glândula pode entrar em falência e deixar de produzir cortisol em níveis adequados, é o que chamamos de fadiga adrenal.

Por sua vez, casos mais severos de insuficiência adrenal podem evoluir para a chamada Síndrome de Burn Out, que ocorre quando aparecem o colapso, a apatia e prostração intensas.

Muitas vezes, a exaustão adrenal é confundida com depressão ou hipotireoidismo, mas embora muitos sintomas possam ser comuns aos dois quadros, os tratamentos são muito diferentes.

Como o cortisol também modula o sistema imunológico, sua falta nos torna mais suscetíveis às inflamações, infecções, alergias, dermatites, dores musculares e articulares entre outros sinais e sintomas.

Os Sinais e Sintomas mais característicos da Fadiga Adrenal são:

Os sinais e sintomas mais importantes estão listados abaixo.

  • Cansaço constante ao longo do dia
  • Desejo aumentado de carboidratos de alto índice calórico para gerar energia
  • Dificuldade em se levantar todas as manhãs, mesmo tendo dormido o suficiente
  • Diminuição da imunidade
  • Diminuição da memória de curto prazo
  • Falta de concentração
  • Irritabilidade constante e crises de explosividade
  • Sente bem melhor após do fim da tarde para noite, mas volta a se sentir sem energia por volta das 21 ou 22 horas

Outras manifestações também podem ocorrer como: alergias, tonturas, desejo de café e outras bebidas estimulantes, desejo de alimentos salgados, dores articulares, cefaleias crônicas, lombalgia, queda da pressão arterial ao se levantar, oscilações na glicemia, redução da libido, compulsão alimentar e ganho de peso

As Fases do Stress

Antes de mais nada, para entendermos melhor as fases do stress, segue abaixo uma das classificações mais utilizadas para o estadiamento do stress, que é a foi criada por Hans Selye em 1936, na qual ele dividia o stress em 3 fases.

Porem acrescentei, por minha própria conta, a fase 4 que na verdade é uma piora da fase 3.

  • Fase de Alerta (Stress agudo)
  • Fase de Resistência (Stress Crônico)
  • Fadiga Adrenal
  • Burn out (Exaustão Adrenal)

Os sintomas e sinais variam dependendo da fase do stress em que o paciente se encontra, portanto o tratamento também é diferente

Fase de Alerta

fase de alerta pode ser considerada como benéfica para a espécie humana, pois é graças a ela que sobrevivemos até hoje.

É nesta fase que ocorre a liberação de adrenalina para que enfrentemos determinada situação, nos sentimos energizados e prontos para correr ou lutar, conforme seja melhor para nós.Passado o estimulo que gerou esta reação, nossa fisiologia volta ao normal.

Importante frisar que nesta fase, tanto o estímulo estressor quanto o tempo que ele dura são curtos.

Nesta fase temos elevação da adrenalina e também do cortisol, geralmente esta fase não requer tratamento, pois é fisiológica.

Fase de Resistência

Se os agentes estressores são mais intensos e se apresentam com uma frequência maior no dia a dia, nós entramos na fase de resistência.

Neste momento os sintomas começam a surgir, e os órgãos ou sistemas mais frágeis são os alvos iniciais.

As alterações nesta fase,  costumam ser mais funcionais do que lesionais como veremos a seguir. Existe uma gama imensa de sinais e sintomas, mas vou listar apenas os mais comuns:

  • Azia  
  • Boca seca  
  • Bruxismo  
  • Cansaço constante  
  • Constipação  
  • Crises de choro
  • Crises de pânico  
  • Depressão
  • Diarreia  
  • Diminuição da concentração e da memória  
  • Diminuição da libido  
  • Dispneia  
  • Dor no peito  
  • Dores de cabeça
  • Enxaqueca
  • Espasmos musculares
  • Fadiga constante  
  • Fraqueza  
  • Insônia  
  • Irritabilidade  
  • Mãos suadas
  • Náuseas  
  • Oscilações de humor freqüentes  
  • Palpitações  
  • Pés frios
  • Queda da pressão arterial ao se levantar rapidamente
  • Tonturas  
  • Tremores
  • Zumbidos no ouvido

Nesta fase podemos ter já uma elevação mais marcada do cortisol e adrenalina. Aqui a duração do estímulo estressor é prolongada

Insuficiência Adrenal

Se os agentes estressores continuam agindo por muito tempo, vamos entrar na fase 3 ou de fadiga adrenal, onde os sintomas e sinais da fase de resistência continuam, mas aqui já podem ocorrer manifestações orgânicas lesionais.

Surgem então: hipertensão arterial, úlceras gastroduodenais, colite, diminuição da imunidade, câncer, psoríase, vitiligo entre outras patologias. Nesta fase as adrenais são muito exigidas, e a produção de cortisol está muito elevada. 

Quando os fatores estressores não são resolvidos, as adrenais entram em exaustão, e a produção de cortisol despenca abruptamente, e temos então a Síndrome de Burn Out.

Síndrome de Burn Out

E grau mais extremo de deficiência adrenal, mas que não é tão rara atualmente.

É a fase de exaustão total ou “burn out”, onde as adrenais entram em falência e o cortisol despenca. Nesta fase as forças se esgotam, e a pessoas ficam totalmente prostradas e sem forças para nada, literalmente acabou o gás!

Exames para avaliar a função das Adrenais

Existem alguns exames que podem nos ajudar a diagnosticar a fadiga adrenal.

Porém o principal diagnóstico é feito através das queixas clínicas. Abaixo temos uma lista dos principais exames laboratoriais para identificar a insuficiência adrenal:

  • Aldosterona
  • ACTH
  • Cortisol matinal
  • Cortisol salivar
  • DHEA
  • Hormônios sexuais

Tratamentos

Como tratar? Antes de qualquer intervenção médica, a pessoa deve se conscientizar de que deve mudar seu estilo de vida, de forma a reduzir ou eliminar agentes estressores quando possível.

Aprender alguma técnica de meditação e/ou iniciar algum tipo de atividade física vai ajudar muito.

acupuntura é um excelente recurso para ajudar na recuperação em qualquer fase do stress, e tem sido cada vez mais procurada para esta finalidade

Ainda dentro da medicina natural, a medicina ortomolecular, a fitoterapia e a homeopatia podem ajudar muito a equilibrar os níveis de cortisol sem efeitos indesejáveis.

Em casos mais severos de fadiga adrenal pode e deve ser utilizada a suplementação com hidrocortisona bioidêntica, para ajudar a na recuperação da função adrenal.

No aspecto alimentar devem ser evitados carboidratos de altos carga e  índice glicêmicos, pois eles elevam o nível de insulina, que por sua vez diminui ainda mais o cortisol que está baixo.

Por este mesmo motivo evitar comer de 3/3 horas, principalmente os carboidratos.

Procurar alimentos ou fazer suplementação contenham Vitamina C, Zinco e Vitaminas do Complexo B, principalmente o Ácido Pantotênico, que são nutrientes muito demandados pelas adrenais.

Mas sempre é bom frisar, procure sempre um profissional da área de saúde, para ajudá-lo, evite automedicação!

Importante frisar que, embora o tratamento seja eficaz, a recuperação da fadiga adrenal costuma demorar meses e em alguns casos mais de ano, resumindo não existe solução rápida para exaustão adrenal.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Formação e Pós-Graduação Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp em 1981 Pós-Graduação em Homeopatia, pela Associação Médica Homeopática do Paraná Título de especialização em Homeopatia pela Associação Médica Brasileira de Homeopatia (AMHB) em 1990. RQE: 69860 Pós-Graduação em Acupuntura pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) Título de especialização em Acupuntura pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura (CBA) em 1993. RQE: 69859 Livros Publicados “Mudança de Hábito Alimentar”, publicado em 1995, atualmente na 4ª edição “Emagrecer, porque só fechar a boca não resolve”, primeira edição em 2014. Áreas de Atuação Sócio proprietário da Clínica Salutaris, que foi criada na cidade de Campinas, SP em 1985. A nossa atuação se dá nas áreas, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Ortomolecular. A proposta do meu trabalho, é através de um tratamento personalizado, considerando a individualidade de cada pessoa, não apenas tratar doenças, principalmente preveni-las. A busca pelo equilíbrio bioquímico e energético, é o melhor caminho para atingirmos um nível ótimo de saúde, e com isso ampliarmos ao máximo nosso período de vida saudável e encurtarmos o nosso tempo de doença. Este objetivo pode ser atingido através de várias estratégias, que vão da mudança de estilo de vida, de hábitos alimentares, eliminação de toxinas que nos fazem adoecer, chegando a suplementação de vitaminas, minerais, nutracêuticos e fitonutrientes. Terapias como Homeopatia e Acupuntura são ótimas ferramentas que tratarmos desequilíbrios de ordem mental e emocional, e podem ser utilizadas quando necessárias. Mudanças no estilo de vida, como atividade. Por fim, a proposta do nosso é tratar o paciente de uma forma individualizada, e o mais completa.

  • Acredito estar na fase de resistência. Como eu faço pra mudar e sair desta?

    • Ola Leila. Primeiramente vc deve dosar pelo menos seu Cortisol e DHEA sulfato para confirmar se realmente se trata de fadiga adrenal, e a partir dos resultados iniciar o tratamento.

  • Gostaria de saber quando foi escrito essa materia, pois irei fazer uma sitação no meu TCC e gostaria do ano

    • Foi escrita pela primeira vez em 2014, se não me engano. Este ano fiz uma revisão no texto e mudei algumas coisas

  • bom Dia DR. Fábio Pisani,
    Me chamo Fátima e tenho 63 anos de idade.
    Tenho asma crônica e todas as alergias respiratórias etc.
    Estou lendo este artigo porque fiz exame de cortisol através do sangue.
    Estou preocupadíssima porque o resultado foi muito baixo: 0,02
    Eu já apresento este problema à tempos.
    só que eu acho que ela funciona e para…porque eu estava me sentindo bem….e parei de tomar predinisona em abril….e não tomei mais.
    Infelizmente a crise financeira ajuda a piorar o caso, pois tenho comércio e as preocupações só aumentam. e este mês de novembro foi o pico das minhas preocupações.
    E agora, estou me sentindo desanimada, sem vontade pra nada….e do nada uma dor imensa no pescoço de ontem pra hoje parecido com uma torcicolo.. além de dores abdominais sem motivos, pois fiz tomografia e nada deu.
    Queria saber se posso procurar ajuda ortomolecular junto com corticoides….nao sei o que fazer
    Minha filha se casa no início do ano.Quero muito estar aqui…e espero que nada de mal me aconteça…senao como será o casamento dela não é mesmo?
    Espero contar com sua ajuda!

    atenciosamente,

    Maria de Fátima de Oliveira.

    • Ola Maria de Fátima
      Seu caso é complexo mesmo
      Se quiser passar por uma consulta, ligue para 19 3254-4012
      Boa tarde!

  • Boa tarde Dr. Fábio.
    Minha dor de cabeça ė diária e tonturas também decorrente a fadiga adrenal. Existe alguma medicação ou suplementação para me ajudar neste parte.
    Acredito que por não dormir bem as dores de cabeça e a sensação de aéreo tonturas não passam.
    Pode me orientar. ???

    • Ola Luis
      Para que eu possa orientá-lo, vc precisa passar por uma consulta
      Bom dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *