Magnésio Baixo e Hipertensão Arterial, Saiba Porque

A maior causa de morte no mundo são as doenças cardiovasculares. A hipertensão arterial, que afeta quase 1/3 das pessoas, quando não diagnosticada e tratada, aumenta os riscos de AVC e infarto do miocárdio.

A boa notícia é que o Magnésio pode Reduzir a Hipertensão Arterial.

A hipertensão arterial é quase sempre assintomática, o que faz com que seu diagnóstico e tratamento sejam feitos tardiamente.

Valores acima de 140/80 são normalmente diagnosticados como hipertensão. Porém aqui cabe uma ressalva, nossa pressão arterial é dinâmica, isto é, muda de valor ao longo do dia.

Costuma ser mais elevada no período da manhã, fato que explica porque a ocorrência de infartos do miocárdio é mais frequente neste período do dia.

Boa das pessoas com hipertensão pode regularizar a pressão arterial através de mudanças no estilo de vida como: mudança de hábitos alimentares, prática de exercícios e suplementação com magnésio por exemplo.

Porque o Magnésio é Importante Para Bom o Funcionamento do Coração

Quando se fala do magnésio, é sempre importante lembrar, que ele deve ser usado sempre em conjunto com o cálcio, pois a proporção entre eles deve se manter estável em no corpo.

O uso adequado destes dois minerais pode controlar boa parte das hipertensões arteriais, quando sua causa for a deficiência de um deles.

O magnésio é o quarto mineral mais abundante no nosso corpo, está envolvido no funcionamento de mais de 350 enzimas no nosso corpo.

magnésio pressão alta, deficiência de magnésio, magnésio baixo, falta de magnésio

Entre as principais ações do magnésio, estão:

  • Ação sobre relaxamento do músculo do coração (diástole)
  • Formação dos ossos e dentes
  • Funcionamento intestinal adequado
  • Geração de energia: através do ATP (trifosfato de adenosina), que são moléculas de energia
  • Regula a glicemia
  • Relaxamento dos vasos sanguíneos

O magnésio foi muito usado há algumas décadas atrás em doenças cardiovasculares.

Existem estudos mostrando o uso intravenoso de magnésio reduziu a mortalidade em mais da metade dos pacientes que sofreram um ataque cardíaco.

Em um desses estudos, criou-se um protocolo para administração de magnésio o mais rápido possível depois do início de um ataque cardíaco, antes de qualquer outro medicamento.

Quando esses critérios foram seguidos, houve uma forte redução nos danos ao miocárdio, e nem hipertensão ou arritmia cardíaca se desenvolveram.

O magnésio atua no coração das seguintes formas:

  • Atua no relaxamento do músculo do coração
  • Compensa a ação do cálcio, que contrai o músculo cardíaco
  • Dilata os vasos sanguíneos
  • Dissolver os coágulos sanguíneos
  • Durante o infarto do miocárdio, age como antioxidante contra os radicais livres que se formam no local da lesão
  • Durante o infarto do miocárdio, diminui a área de lesão e previne as arritmias

Sinais de que Você Precisa de Mais Magnésio

O magnésio é um mineral predominantemente intracelular, apenas 1% dele está no sangue. Por esse motivo a dosagem de magnésio no sangue, não é um bom indicador dos nossos níveis deste mineral tão essencial.

Estima-se que 80% da população americana esteja carente de magnésio. Acredito que no Brasil, nossos índices sejam semelhantes, pois assim como nos USA, nosso solo também é muito pobre em magnésio, pois não temos água magnesiana, por ausência de vulcões em nosso país.

Como a dosagem de magnésio no sangue, é reflete seus níveis no nosso corpo, devemos nos guiar pelos sinais e sintomas da falta dele:

  • Arritmia
  • Cansaço e fraqueza
  • Contrações e cãibras musculares
  • Convulsões
  • Dormência e formigamento
  • Espasmos das artérias coronárias (angina)
  • Náusea e vômitos
  • Perda de apetite

As melhores fontes naturais de magnésio são as verduras verde-escuras. Abacates e amêndoas também são ricos em magnésio.

As Causas Mais Comuns de Pressão Alta

Ao contrário do que muitos imaginam a causa mais comum de hipertensão, não é o excesso de sal e nem a falta de magnésio, mas sim o excesso de produção de insulina pelo pâncreas, causada por uma alimentação rica em carboidratos.

A relação entre resistência à insulina e hipertensão, é um exemplo de quão devastadores são os efeitos da associação de níveis altos de insulina, leptina e glicose no sangue.

Grande parte dos médicos brasileiros costuma pedir apenas a dosagem da glicemia, poucos solicitam a dosagem de insulina de jejum, a menos que o paciente apresente antecedentes de diabetes na família.

Os níveis ideais da insulina em jejum deve estar entre 2 ou 3. Se estiver acima de 5 ou mais de 10, é importante que se tomem as providências para que estes níveis diminuam.

Se a hipertensão for resultado direto de um nível de açúcar elevado no sangue, a regularização desses níveis normalizará a pressão arterial

3 Dicas para Baixar a Pressão Arterial Naturalmente

  1. Exercícios físicos: procurar associar atividade aeróbia com musculação, para que haja uma redução mais rápida dos níveis de insulina e por consequência da hipertensão
  2. Alimentação voltada para a redução dos níveis de insulina: evitar carboidratos que aumentam a produção de insulina, como grãos e doces como: massas, arroz, pães, bolos e batatas
  3. Melhore seus níveis de vitamina D: os níveis de vitamina D tem papel importante na normalização da pressão arterial

É importante frisar que, o uso de medicamentos anti-hipertensivos, são absolutamente necessários em casos em que a pressão arterial está muito elevada.

O uso das medidas acima citadas podem e devem ser implementadas em concomitância com o tratamento convencional, pois ele não está tratando a causa da hipertensão, pois quase na maioria das vezes, se diz que a hipertensão é essencial, isto é, nos médicos não sabemos a causa.

Abaixo temos algumas alterações que podem hipertensão arterial:

  • Ácido úrico elevado
  • Deficiência de magnésio
  • Deficiência de vitamina D
  • Hipotireoidismo
  • Insulina elevada

Finalizando, quem está usando qualquer anti-hipertensivo, e quiser fazer suplementação de Magnésio ou vitamina D, procure por seu médico e NÃO SUSPENDA SEU MEDICAMENTO PARA HIPERTENSÃO sem autorização expressa dele!

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Formação e Pós-Graduação Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp em 1981 Pós-Graduação em Homeopatia, pela Associação Médica Homeopática do Paraná Título de especialização em Homeopatia pela Associação Médica Brasileira de Homeopatia (AMHB) em 1990. RQE: 69860 Pós-Graduação em Acupuntura pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) Título de especialização em Acupuntura pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura (CBA) em 1993. RQE: 69859 Livros Publicados “Mudança de Hábito Alimentar”, publicado em 1995, atualmente na 4ª edição “Emagrecer, porque só fechar a boca não resolve”, primeira edição em 2014. Áreas de Atuação Sócio proprietário da Clínica Salutaris, que foi criada na cidade de Campinas, SP em 1985. A nossa atuação se dá nas áreas, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Ortomolecular. A proposta do meu trabalho, é através de um tratamento personalizado, considerando a individualidade de cada pessoa, não apenas tratar doenças, principalmente preveni-las. A busca pelo equilíbrio bioquímico e energético, é o melhor caminho para atingirmos um nível ótimo de saúde, e com isso ampliarmos ao máximo nosso período de vida saudável e encurtarmos o nosso tempo de doença. Este objetivo pode ser atingido através de várias estratégias, que vão da mudança de estilo de vida, de hábitos alimentares, eliminação de toxinas que nos fazem adoecer, chegando a suplementação de vitaminas, minerais, nutracêuticos e fitonutrientes. Terapias como Homeopatia e Acupuntura são ótimas ferramentas que tratarmos desequilíbrios de ordem mental e emocional, e podem ser utilizadas quando necessárias. Mudanças no estilo de vida, como atividade. Por fim, a proposta do nosso é tratar o paciente de uma forma individualizada, e o mais completa.

Deixe uma resposta