Níveis de Colesterol e Infarto, Uma Relação Surpreendente

colesterol e infarto

Há muito tempo sabemos que existe uma correlação entre colesterol e infarto, embora uma relação de causa e efeito, por incrível que pareça, ainda não foi demonstrada definitivamente.

Um imenso estudo científico realizado pela Universidade da Califórnia e publicado no reputado “American Heart Journal” avaliou 136.905 pacientes internados devido a infarto do miocárdio, hospitalizados em 541 hospitais dos Estados Unidos, do ano 2000 até 2006.

Este estudo avaliou o colesterol e outros aspectos considerados como relevantes no infarto do miocárdio e chegou à conclusão que muito mais da metade dos infartos ocorreram em pessoas com o colesterol considerado ruim (LDL) normal.

Nesse estudo, 72,1% dos pacientes que foram hospitalizados depois de sofrer um infarto estavam com os níveis do LDL (colesterol ruim) considerados normais.

Além disso, a taxa média do colesterol total foi de 174.4 mg/dL com teores que variavam de 126,7 a 222,1 mg/dL.

Esse estudo põe em cheque a responsabilidade do colesterol elevado no infarto do miocárdio, mesmo em pacientes portadores de outros fatores de risco associados como diabetes, tabagismo, hipertensão arterial, obesidade ou hereditariedade.

Outros estudos já haviam demonstrado que mais de 50% dos infartos ocorrem em pessoas com colesterol normal.
Esse estudo levanta mais uma vez o debate sobre o risco generalizado e indiscriminado das estatinas para baixar o colesterol.

Por outro lado, diversos estudos têm demonstrado que o colesterol muito baixo causa depressão e afeta a produção de diversos hormônios femininos e masculinos, como por exemplo, a testosterona.

Além disso, o colesterol é importante na formação da bainha de mielina dos nervos, é precursor do cortisol, dos sais biliares e é importante no sistema imune.

Referência:
Lipid levels in patients hospitalized with coronary artery disease: an analysis of 136,905 hospitalizations in Get With The Guidelines. Sachdeva A, Cannon CP, Deedwania PC, Labresh KA, Smith SC Jr, Dai D, Hernandez A, Fonarow GC. Am Heart J. 2009 Jan;157(1):111-117

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Formação e Pós-Graduação Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp em 1981 Pós-Graduação em Homeopatia, pela Associação Médica Homeopática do Paraná Título de especialização em Homeopatia pela Associação Médica Brasileira de Homeopatia (AMHB) em 1990. RQE: 69860 Pós-Graduação em Acupuntura pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) Título de especialização em Acupuntura pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura (CBA) em 1993. RQE: 69859 Livros Publicados “Mudança de Hábito Alimentar”, publicado em 1995, atualmente na 4ª edição “Emagrecer, porque só fechar a boca não resolve”, primeira edição em 2014. Áreas de Atuação Sócio proprietário da Clínica Salutaris, que foi criada na cidade de Campinas, SP em 1985. A nossa atuação se dá nas áreas, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Ortomolecular. A proposta do meu trabalho, é através de um tratamento personalizado, considerando a individualidade de cada pessoa, não apenas tratar doenças, principalmente preveni-las. A busca pelo equilíbrio bioquímico e energético, é o melhor caminho para atingirmos um nível ótimo de saúde, e com isso ampliarmos ao máximo nosso período de vida saudável e encurtarmos o nosso tempo de doença. Este objetivo pode ser atingido através de várias estratégias, que vão da mudança de estilo de vida, de hábitos alimentares, eliminação de toxinas que nos fazem adoecer, chegando a suplementação de vitaminas, minerais, nutracêuticos e fitonutrientes. Terapias como Homeopatia e Acupuntura são ótimas ferramentas que tratarmos desequilíbrios de ordem mental e emocional, e podem ser utilizadas quando necessárias. Mudanças no estilo de vida, como atividade. Por fim, a proposta do nosso é tratar o paciente de uma forma individualizada, e o mais completa.

Deixe uma resposta