Stress, conheça suas Fases, Sintomas e Tratamentos

“Estou com stress doutor”! Essa é uma das queixas mais ouço todos os dias em minha clínica.

Mas como muitas vezes acontece, as pessoas rotulam de stress sintomas como ansiedade, irritabilidade, “nervosismo”, angústia, preocupação entre outros. Por isso pensei em escrever um pouco sobre stress para ajudar a clarear os fatos.

fadiga, fadiga adrenal, fadiga crônica, stress, fases do stress

Fases do Stress

A classificação mais usada atualmente é a que foi criada por Hans Selye em 1936, na qual ele dividia o stress em 3 fases, mas atualmente foi acrescentada mais uma fase. São elas:

  • Fase de Alerta
  • Fase de Resistência
  • Fase de Exaustão
  •  Burn out

Cortisol e Stress

Do ponto de vista orgânico quando falamos de stress estamos falando das adrenais, que são pequenas glândulas localizadas sobre os rins e que produzem um hormônio chamado cortisol.

A dosagem deste hormônio pode nos auxiliar a identificar em que fase do stress uma pessoa se encontra.

Sinais e Sintomas de Stress

Os sintomas e sinais variam dependendo da fase do stress em que o paciente se encontra e, portanto o tratamento também é diferente.

Fase de Alerta

A fase de alerta pode ser considerada como benéfica para a espécie humana, pois é graças a ela que sobrevivemos até hoje.

É nesta fase que ocorre a liberação de adrenalina para que enfrentemos determinada situação, nos sentimos energizados e prontos para correr ou lutar, conforme seja melhor para nós. Passado o estímulo que gerou esta reação, nossa fisiologia volta ao normal. Importante frisar que nesta fase tanto o estímulo estressor quanto o tempo que ele dura são curtos.

Nesta fase temos elevação da adrenalina e também do cortisol, geralmente esta fase não requer tratamento.

Fase de Resistência

Se os agentes estressores são mais intensos e se apresentam com uma frequência maior no cotidiano destas pessoas nós entramos na fase de resistência.

E neste momento os sintomas começam a surgir e os órgãos ou sistemas mais frágeis são os alvos iniciais.

Nesta fase as alterações costumam ser mais funcionais do que lesionais como veremos a seguir.

Existe uma gama imensa de sinais e sintomas, abaixo estão os mais comuns.

  • Azia
  • Boca seca
  • Bruxismo
  • Cansaço constante
  • Constipação
  • Crises de choro
  • Depressão
  • Diarreia
  • Diminuição da concentração e memória
  • Diminuição da libido
  • Dispneia
  • Dor no peito
  • Dores de cabeça
  • Enxaqueca
  • Espasmos musculares
  • Fadiga constante
  • Fraqueza
  • Insônia
  • Irritabilidade
  • Mãos suadas
  • Náuseas
  • Oscilações de humor frequentes
  • Palpitações
  • Pânico
  • Pés frios
  • Tonturas
  • Tremores
  • Zumbidos no ouvido

Na fase de Resistência podemos ter uma elevação mais marcada do cortisol e adrenalina. Aqui a duração do estímulo estressor é prolongada.

Fase de Exaustão Adrenal

Se os agentes estressores continuam agindo por muito tempo vamos entrar na fase 3 ou de exaustão, onde os sintomas e sinais da fase de resistência continuam.

Porém aqui já podem ocorrer manifestações orgânicas mais severas como:

  • Câncer
  • Colite
  • Diminuição da imunidade
  • Hipertensão arterial
  • Psoríase
  • Úlceras gastroduodenais
  • Vitiligo

Neste momento podemos ter o cortisol bastante elevado.

Síndrome de “Burn out”

E numa fase mais extrema, mas que já não é tão rara atualmente temos a fase de exaustão total ou “burn out” onde as adrenais entram em falência e o cortisol despenca. Nesta fase as forças se esgotam e a pessoas vai se apresentar totalmente prostrada e sem forças para nada, é o fim da linha.

Como eu Trato O Stress

Como tratar? Antes de qualquer ação médica, a pessoa tem de ser conscientizada de que deve alterar seu modo de vida de forma a reduzir ou eliminar agentes estressores quando possível.

Aprender algum tipo de meditação e ou iniciar algum tipo de atividade física vai ajudar muito.

A acupuntura é um excelente recurso para ajudar na recuperação em qualquer fase do stress, infelizmente ainda é pouco procurada para esta finalidade.

Ainda dentro da medicina natural, medicina ortomolecular existem muitas plantas e suplementos que podem ajudar a equilibrar os níveis de cortisol praticamente sem efeitos colaterais.

Do meu ponto de vista o mais importante é identificarmos em que fase do stress o paciente se encontra e a partir de aí elaborar uma estratégia de tratamento, não resolve só mandar a pessoa relaxar, esta conduta seria como ignorar o problema ao invés de resolvê-lo.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Formação e Pós-Graduação Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp em 1981 Pós-Graduação em Homeopatia, pela Associação Médica Homeopática do Paraná Título de especialização em Homeopatia pela Associação Médica Brasileira de Homeopatia (AMHB) em 1990. RQE: 69860 Pós-Graduação em Acupuntura pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp) Título de especialização em Acupuntura pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura (CBA) em 1993. RQE: 69859 Livros Publicados “Mudança de Hábito Alimentar”, publicado em 1995, atualmente na 4ª edição “Emagrecer, porque só fechar a boca não resolve”, primeira edição em 2014. Áreas de Atuação Sócio proprietário da Clínica Salutaris, que foi criada na cidade de Campinas, SP em 1985. A nossa atuação se dá nas áreas, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Ortomolecular. A proposta do meu trabalho, é através de um tratamento personalizado, considerando a individualidade de cada pessoa, não apenas tratar doenças, principalmente preveni-las. A busca pelo equilíbrio bioquímico e energético, é o melhor caminho para atingirmos um nível ótimo de saúde, e com isso ampliarmos ao máximo nosso período de vida saudável e encurtarmos o nosso tempo de doença. Este objetivo pode ser atingido através de várias estratégias, que vão da mudança de estilo de vida, de hábitos alimentares, eliminação de toxinas que nos fazem adoecer, chegando a suplementação de vitaminas, minerais, nutracêuticos e fitonutrientes. Terapias como Homeopatia e Acupuntura são ótimas ferramentas que tratarmos desequilíbrios de ordem mental e emocional, e podem ser utilizadas quando necessárias. Mudanças no estilo de vida, como atividade. Por fim, a proposta do nosso é tratar o paciente de uma forma individualizada, e o mais completa.

Deixe uma resposta