O que é Medicina Ortomolecular e Para Que Serve

O que é Medicina Ortomolecular e Para Que Serve

A Medicina Ortomolecular procura nutrir e otimizar o funcionamento do organismo, prevenindo e tratando doenças, e proporcionando um envelhecimento saudável e uma melhor qualidade de vida. Suas bases são a fisiologia e a bioquímica, que todos os médicos aprendem no início dos cursos de medicina.

Ortomolecular no Brasil

Embora a Medicina Ortomolecular ainda não seja reconhecida como especialidade médica no Brasil, existe por parte do Conselho Federal de Medicina a Resolução CFM Nº 1.938/2010 que regulamenta a Prática Ortomolecular por médicos. 

A Ortomolecular tem seus fundamentos nas disciplinas mais básicas das ciências médicas como a Bioquímica: que estuda as substâncias presentes no organismo humano e as reações químicas que ocorrem entre elas.

A Fisiologia: que estuda o funcionamento dos órgãos e sistemas humanos e a relação entre eles e a Fisiopatologia: que estuda a causa das doenças.

Sua Saúde Já foi Otimizada Alguma Vez?

Na nossa cultura, só se vai ao médico quando se adoece. De forma geral as pessoas não sabem que podem ser tratadas para otimizar o funcionamento do seu organismo e curas e evitar o surgimento de várias doenças.

As Causas Básicas das Doenças

Com o avanço da ciência, hoje já conseguimos identificar muitos fatores que produzem doenças e envelhecimento precoce do nosso corpo. Estes são alguns deles: alimentação inadequada, stress, produção excessiva de radicais livres, danos frequentes ao DNA, inflamação crônica subclínica, glicação, redução do metabolismo, sedentarismo, redução da imunidade, radiações eletromagnéticas, destoxificação deficiente, produção e função inadequada de neurotransmissores e hormônios, entre outros.

Felizmente quase todos estes fatores podem ser corrigidos, com algumas mudanças no nosso estilo de vida, mais algumas ações terapêuticas. Mas é importante entender que é um processo que deve ser seguido por bom tempo, e não apenas mudanças pontuais ou uso de alguma fórmula mágica.

O Papel da Alimentação na Medicina Ortomolecular

medicina ortomolecular, ortomolecular, ortomolecular para que serve, dieta ortomolecular, ortomolecular funciona, tratamento ortomolecular

A alimentação inadequada é um dos fatores mais importantes, pois a ingestão constante de alimentos nocivos ao nosso organismo provoca um processo inflamatório ao nível da mucosa intestinal, seguido de uma alteração da permeabilidade da parede intestinal, que por sua vez altera a absorção dos nutrientes. Soma-se a isto a presença em larga escala de agrotóxicos nos alimentos, metais pesados e parasitas intestinais, agravando este estado.

Eliminar Toxinas

Para corrigir este quadro, temos de ir além da correção alimentar, temos que primeiramente eliminar os metais pesados, agrotóxicos, pesticidas e parasitas intestinais. Feito isto, e com uma alimentação adequada, nosso corpo ira aproveitar melhor os nutrientes da própria alimentação. Não existe uma alimentação padrão boa para todo mundo.

Podemos escolher nossos alimentos de acordo com o tipo sanguíneo ou de acordo com a biotipologia, ou outros métodos que levem em consideração a individualidade de cada pessoa.

Microrganismos e Parasitas, Eliminar é Preciso

Em nosso corpo temos bilhões de micro-organismos, que nos são muito úteis, e vivem em harmonia conosco, ajudando na digestão e produção de vitaminas. Mas também temos vários parasitas, que devem ser eliminados, pois roubam nossos nutrientes e lesam nossa saúde. Entre eles está a Candida albicans, responsável além da candidíase, por inúmeros outros sintomas.

Detox

Com o uso excessivo de produtos industrializados, medicamentos químicos, ar e água poluídos, o nosso corpo tem dificuldades para se desintoxicar. O órgão que mais sofre é o fígado, o “filtro” do nosso sangue, mas os rins, os intestinos e a pele também sofrem com as toxinas.

Este fato nos mostra a importância de fazermos um processo de destoxificação dos vários sistemas orgânicos. Sabe-se hoje que a intoxicação por alumínio pode provocar Alzheimer e Parkinson.

Inflamação Crônica Silenciosa

A inflamação aguda é um mecanismo de reparo extremamente útil para nossa recuperação das agressões que sofremos, mas ela deve ser sempre de curta duração. Quando nosso corpo está cronicamente intoxicado, por algumas substâncias (toxinas) e mesmo alguns alimentos, desencadeiam um processo inflamatório crônico, sem dor ou outras manifestações clínicas perceptíveis.

Mas as pesquisas mais recentes mostram que está inflamação crônica está na origem de praticamente todas as doenças crônicas. Entre as principais são as doenças neurodegenerativas, (Parkinson, Alzheimer) e as doenças cardiovasculares, que ao contrário do que se pensa, não são só devidas ao colesterol, fumo e obesidade.

Obesidade + Diabetes = Diabesidade

O modo de vida sedentário e o consumo de alimentos industrializados em excesso têm causado aumento da obesidade e dos casos de diabetes tipo 2. O principal mecanismo envolvido nestas alterações chama-se glicação. A glicação ocorre porque existe muito açúcar no sangue, que “carameliza” as membranas das células, impedindo seus receptores funcionem corretamente.

Com o açúcar (glicose) fora das células, as pessoas ficam cansadas sem e energia, e sempre querendo comer mais carboidratos. Forma-se um círculo vicioso, cujo resultado mais visível é a obesidade, que já é considerada uma epidemia mundial. O uso de carboidratos complexos (integrais) em conjunto com alguns medicamentos pode corrigir este quadro.

A Tireoide e o Nosso Metabolismo 

Outro aspecto importante é a redução do metabolismo basal. Cerca de 70 a 75% das nossas calorias são gastas por nosso metabolismo basal (MB). Nosso MB depende muito do nosso tecido muscular, que gasta energia mesmo em repouso, daí a importância de termos uma atividade física regular e adequada.

A tireoide é quem controla nosso metabolismo, e muitas vezes seu funcionamento mais lento por não ser detectado pelos exames, e acaba ficando sem tratamento. Os principais sintomas de hipofunção da tireoide são: ganho de peso, constipação, irregularidades menstruais, pele e cabelos secos, unhas fracas, cansaço constante, entre outros.

Dietas Hipocalóricas, Valem Mesmo a Pena?

Hoje sabemos que as dietas de poucas calorias tendem ao fracasso, pois quanto mais se reduz a quantidade de alimentos, mais o corpo reduz o metabolismo, isto é, comer menos faz o corpo gastar queimar menos calorias.

O jejum intermite pode ser útil no emagrecimento, mas longos períodos sem alimentação forçam o corpo a converter músculos (proteína) em energia, levando a perda do tecido que mais queima calorias.

Portanto para se fazer jejum intermitente, deve buscar ajuda de um profissional da saúde.

Se você ainda pensa que para emagrecer tem que “fechar a boca”, saiba que está muito longe da verdade científica atual.

Você Não Vai Ser Emagrecida (o) Por Seu Médico!

Para aumentar o metabolismo além da atividade física, existem certos alimentos e medicamentos que podem ajudar.

Mas quem quer emagrecer deve entender que não pode ser emagrecida pelo médico, é essencial compreender que o excesso de peso decorre de uma série de desequilíbrios e que não existe e não existirá um remédio único que equilibre todos os fatores envolvidos na obesidade.

O emagrecimento deve ser resultado do equilíbrio geral do organismo, e não um objetivo a ser alcançado a qualquer preço. Se você não concorda com estas colocações, por favor, esqueça este tratamento, ele não é para você.

Mitocôndrias, as Nossas Usinas de Energia

Na realidade o grande “queimador” de calorias que temos chama-se mitocôndria, que são estruturas que existem dentro das células e transformam a glicose em energia, é um tipo de micro usina de energia.

Esta geração de energia depende do oxigênio, e um dos seus subprodutos são os radicais livres (RL), que ganharam notoriedade nos últimos tempos.

A Origem dos Radicais Livres

Os RL são apontados hoje como um dos maiores responsáveis pelo envelhecimento, pois lesam as membranas celulares e o nosso material genético (DNA).

Para tentar solucionar esta condição, surgiu a Medicina Ortomolecular. O uso de vitaminas, minerais, aminoácidos e fitonutrientes, ajudam a reduzir muito as alterações produzidas pelos RL.

Além das mitocôndrias, outros grandes geradores de RL são: o stress, o fumo, exposição solar excessiva, exercícios físicos intensos entre muitos outros. Um assunto ainda pouco considerado pela medicina convencional são as radiações eletromagnéticas.

Radiações Eletromagnéticas, Inimigos Invisíveis

O desenvolvimento tecnológico nos faz conviver com vários aparelhos eletrodomésticos e eletroeletrônicos, que emitem constantemente radiações ionizantes, que provocam muitas alterações em nosso corpo energético. Infelizmente ainda temos poucos meios para nos livrarmos destes efeitos nocivos.

Diagnóstico e Tratamento

Para fazer um diagnóstico do que precisa ser corrigido, a Medicina Ortomolecular usa os exames laboratoriais rotineiros e também um bem específico que é o mineralograma, que pode ser feito através do cabelo ou do sangue.

O tratamento, dependendo de cada caso pode ser feito com Fitoterapia (ervas), Vitaminas, Sais Minerais, Fitonutrientes, Oligoelementos, Homeopatia entre outras; além de propor mudanças nos hábitos alimentares e no estilo de vida.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Telômeros e Mitocôndrias, o Segredo do Antienvelhecimento

Telômeros e Mitocôndrias, o Segredo do Antienvelhecimento

Em nossas células temos 2 estruturas, que quando bem cuidadas podem retardar o nosso envelhecimento, os telômeros e as mitocôndrias.

telômeros, antienvelhecimento

  • Telômeros: são estruturas que ficam nas extremidades do DNA como um tipo de “tampa”. A cada divisão celular, os telômeros encurtam um pouquinho, até a célula para de se dividir e entra em apoptose (morre).
  • Quanto mais curtos ficarem, mais rapidamente você desenvolve os sinais do envelhecimento. Então ao proteger e nutri-los, você pode voltar anos atrás.
  • Quanto mais preservados estiverem nossos telômeros, mais chances teremos de retardar nosso envelhecimento e quem sabe, até reverte-lo em algum grau.
  • Mitocôndrias: as nossas células também contêm minúsculas organelas chamadas mitocôndrias, que são as usinas que transformam glicose e gorduras em energia.
  • A mitocôndria inicialmente não pertencia ao nosso corpo, durante a nossa evolução ela foi literalmente incorporada e por isso, pasmem, ela tem seu próprio DNA!
  • E por isso também, elas têm tanta importância sobre o nosso processo de envelhecimento.

Importância das Mitocôndrias

Cada uma das nossas células tem em média 200 mitocôndrias, e células de órgãos metabolicamente mais ativos, como o coração e o cérebro, podem ter mais de 10.000.

À medida que envelhecemos, essas estruturas tornam-se danificadas e começam a morrer, causando perda da capacidade para fabricar energia, esse processo recebe um nome genérico de mitocondriopatia.

A sensação de cansaço e fadiga que vem com o envelhecimento, se deve a essa

telômeros, antienvelhecimento, mitocôndrias

Esse mau funcionamento mitocondrial esta raiz de muitas doenças crônico-degenerativas como:

  • Diabetes
  • Fibromialgia
  • Fadiga crônica
  • Cirrose
  • Doença de Alzheimer
  • Parkinson
  • Doenças cardiovasculares

Atualmente a perda da função mitocondrial acontece mais precocemente do que há 50 anos atras, pois hoje nossa alimentação está muito pior e estamos vivendo em um ambiente altamente tóxico.

Campos eletromagnéticos, poluição de diversos tipos, excesso de medicação, produtos químicos e pesticidas são fatores que fazem o nosso corpo envelhecer muito mais rapidamente.

Estratégia Antienvelhecimento, Para os Telômeros

Para manter o comprimento dos seus telômeros devemos:

  • Reduzir a Homocisteína: esse aminoácido, além de aumentar risco cardiovascular e Doença de Alzheimer, triplica a velocidade de encurtamento dos seus telômeros. Os valores ideais são em torno de 7; sendo que além de 10 já é preocupante. Suplementação de vitamina B12, ácido fólico e vitamina B6 ajudam a reduzir a Homocisteína.
  • Vitamina C: as pesquisas mostram que esse antioxidante pode reduzir o encurtamento dos telômeros em mais de 50%. O ideal é usar vitamina C em baixas doses, várias vezes ao dia, pois sua eliminação pelo corpo é muito rápida.
  • Consumir legumes e vegetais coloridos produz aumento significativo dos telômeros. Os vegetais com betacaroteno provocam os maiores aumentos do comprimento dos telômeros
  • Resveratrol: promove aumento de produção de telomerase, enzima que recupera os telômeros. Essa substância está presente no vinho tinto, em especial das uvas Pinot Noir Merlot e Shiraz.

Estratégia Antienvelhecimento Para as Mitocôndrias

Para suporte mitocondrial podemos utilizar:

  • CoQ10: A coenzima Q10 estimula a produção de energia. É um antioxidante que age neutralizando de radicais livres antes que causem danos.
    É aconselhável utilizar a forma sublingual, pois a biodisponibilidade é muito maior do que pela via oral.
  • L-Carnitina: Esse aminoácido tem papel crucial na geração de energia pelas células, transportando ácidos graxos para dentro da mitocôndria, utilizando assim a gordura como substrato e ajudando no emagrecimento. A L-Carnitina auxilia na eliminação de detritos tóxicos para fora da célula antes eles possam causar danos. A melhor fonte de L-Carnitina é a carne vermelha. Pode ser suplementada via oral, sempre com o estômago vazio. Para geração de energia no cérebro, a Acetil L Carnitina é mais adequada, por sua maior facilidade de passar pela barreira hematoencefálica.
  • L-Cisteína: este aminoácido é também um poderoso antioxidante. Na forma de N-acetil L-Cisteína (NAC) auxilia na fabricação de Glutationa. Esse é o antioxidante mais poderoso do corpo, consistindo na primeira linha de defesa da mitocôndria, ajudando a neutralizar os radicais livres.
  • Rhodiola rósea: este fitoterápico promove aumento da síntese de energia na mitocôndria.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Detox, conheça os Tipos e Porque Devemos Fazê-lo

Detox, conheça os Tipos e Porque Devemos Fazê-lo

detox, detoxificação, destoxificação, desintoxicação

Vivemos em um mundo extremamente poluído, se quisermos ter boa saúde é importante que façamos algum tipo de Detox, para que nosso corpo elimine estas toxinas.

Detox podem ser feitos de várias formas, via alimentos, sucos, chás, vitaminas e minerais, suplementos e até mesmo por terapias frequenciais como homeopatia.

O Que Está Intoxicando Nosso Corpo?

Nunca na história da humanidade, estivemos expostos a tantos fatores agressores como estamos atualmente.

A poluição ocorre em vários níveis, desde os mais visíveis, como os produtos químicos conservantes, agrotóxicos, metais tóxicos, medicamentos, etc, micro-organismos vírus, bactérias, fungos e parasitas em geral até os invisíveis, como as radiações eletromagnéticas e ionizantes.

O nosso corpo não está programado para lidar com este excesso de fatores agressores tóxicos a que estamos expostos atualmente. Nossa genética nos permite lidar melhor com vírus, bactérias e fungos, pois sempre estivemos expostos a eles.

Porém desde a última guerra mundial, em 1945, foram criados 80 000 novos produtos químicos aos quais estamos expostos, e nosso corpo simplesmente não sabe como lidar com a maior parte deles.

Detox e os Tipos de Toxinas

Os fatores tóxicos podem ser endotoxinas (que são produzidas pelo nosso próprio metabolismo) também chamadas de homotoxinas.

Porém o grande perigo para nossa saúde, são as exotoxinas, que penetram em nosso corpo pela alimentação (conservantes, aditivos, corantes), pela água, pela respiração (ar) e pela pele.

Estas toxinas externas são agrotóxicos, pesticidas, medicamentos, álcool, metais tóxicos, xenoestrógenos como bisfenol A (BPA), ftalatos entre outros.

Os xenobióticos interferem em nossos receptores hormonais, impedindo a ação de vários hormônios.

Desequilibram a microbiota intestinal, que podem produzir alterações na pele, como urticaria, eczema, dermatite, depressão e até obesidade.

As exotoxinas podem entrar em nosso corpo basicamente pela alimentação, pelos intestinos, pela pele e pela respiração.

Como as toxinas são lipossolúveis, se acumulam principalmente no tecido gorduroso e no cérebro.

Disbiose intestinal e Detox

A mucosa que reveste o intestino, quando saudável, deve ser integra, como uma tela micro porosa, que permite a passagem apenas de micropartículas e bloqueia as macromoléculas.

Mas esta mucosa é diariamente agredida por metais tóxicos, agrotóxicos, pesticidas, conservantes, medicamentos químicos, alimentos inadequados ao nosso biotipo.

Esta agressão produz “rasgos” nesta mucosa, que por sua vez fica muito permeável e perde sua capacidade de seletiva de filtrar.

Como esta mucosa tem contato direto com a microcirculação, começamos a absorver substâncias nocivas ao nosso corpo.

Não bastasse isto, as bactérias, vírus, fungos e outros micro-organismos que formam nossa flora intestinal, também são afetadas por estes mesmos fatores agressores, e entram em desarmonia, deixando de ser benéficas e passando a patogênicas, a isso chamamos de disbiose intestinal.

Sabemos que o intestino produz cerca de 90% da nossa serotonina. A serotonina é um neurotransmissor que está associado a nosso sentimento de felicidade, prazer e bem-estar.

A serotonina encontra-se muito diminuída nas depressões. Do meu ponto de vista, uma das principais causas desta “epidemia” de depressão que estamos assistindo nos últimos anos, está associada a estas alterações na microbiota intestinal, e não somente aos fatores emocionais.

Como Funciona o Processo de Destoxificação?

Detox é a forma abreviada das palavras detoxification ou detoxificação em português.

Detoxificação ou destoxificação nada mais é do que a eliminação de substâncias toxicas do nosso organismo.

Nosso corpo já faz isso de uma forma automática através do fígado, intestinos, rins, sistema linfático, pele e pelos pulmões.

O fígado é o grande filtro e metabolizador, todas as toxinas precisam passar por ele para serem eliminadas.

Os intestinos também fazem algum tipo de metabolização, mas seu grande papel, juntamente com o sistema linfático, os rins, os pulmões e a pele é a eliminação de toxinas.

Fases do Detox

O processo de detoxificação é dividido em 3 fases que ocorrem principalmente no fígado.

  • Fase 1 ou bio transformação: as toxinas são preparadas paradas para serem eliminadas por meio de reações de hidrólise e óxido-redução. A fase 1 produz muitos radicais livres, daí a importância de termos nosso sistema de antioxidantes funcionando bem para evitar lesões em nossos tecidos.
  • Fase 2 ou conjugação:  estas toxinas são serão ligadas a radicais químicos para sua eliminação, num processo de conjugação, sulfatação, metilação, acetilação, glucoronidação entre outros.
  • Fase 3 ou eliminação: Após está conjugação, as toxinas seguem para eliminação pelos rins, intestinos, vesícula biliar, pele ou pulmão.

Durante o Detox, é importante que exista harmonia entre e fase 1 e a fase 2, pois se a primeira estiver muito ativa, e a fase 2 lenta, não vamos conseguir eliminar, e as toxinas irão aumentar no nosso corpo.

Os processos bioquímicos são bem mais complexos do que isso, mas de uma forma resumida é isso que ocorre, quando fazemos um Detox, seja ele feito por chás, sucos verdes ou outros métodos que podem ser prescritos por médicos e nutricionistas.

Tipos de Detox

Na prática clínica podemos usar vários fitoterápicos, vitaminas e minerais que podem agir estimulando tanto a fase 1 como a fase 2 de detoxificação.

Existem também vários medicamentos frequenciais ou vibracionais que podem aprofundar este processo de limpeza do organismo.

Estes medicamentos têm origem nas medicinas vibracionais e sua atuação vai além das células, suas membranas e organelas intracelulares.

Estes medicamentos agem na matriz extracelular, que é a estrutura que sustenta todas as células do nosso corpo.

Bem, e como fazemos o Detox? O ideal é introduzir um método que seja mais adequado para cada paciente.

Como eu Faço

Penso que a primeira providência a tomar, é eliminar o máximo possível destes fatores que estão agredindo a mucosa intestinal.

Em minha clínica uso medicamentos fitoterápicos (plantas), que funcionam de forma eficaz e ecológica, sem lesar o organismo e homeopatia para eliminar metais tóxicos.

Depois temos que oferecer ao organismo, pré e pró bióticos, para que a flora intestinal volte ao seu estado de equilíbrio.

Neste meio tempo temos que identificar os alimentos que nos fazem mal e os que são bons.

Aqui podem ser usados exames laboratoriais para identificar intolerâncias, hipersensibilidades ou alergias alimentares.

Em alguns casos se faz necessária a reposição de vitaminas e sais minerais, que após esta limpeza do organismo, podem ser usados em pequenas quantidades, pois vão ser melhor absorvidos pela mucosa intestinal.

Não Espere Adoecer para Ir ao Médico

Penso que 80% das doenças crônicas degenerativas como (artrite, artrose, aterosclerose, cansaço crônico, envelhecimento precoce, insônia, depressão, falta de concentração, alergias, constipação, obesidade, lesões de pele, falta de energia, imunidade diminuída, processos inflamatórios, etc) têm início ou são mantidas por esta “intoxicação crônica” a que somos submetidos diariamente.

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.

Colesterol e Inflamação Crônica Causam Doenças Cardíacas

Colesterol e Inflamação Crônica Causam Doenças Cardíacas

Colesterol, Inflamação crônica, Doenças cardíacas, doença cardiovascular, colesterol e inflamação crônica

Hoje sabemos que Colesterol e Inflamação Crônica Silenciosa e Doenças Cardíacas estão inter-relacionados.

Abaixo segue escrito pelo Dr Dwight Lundell, que mostra que o verdadeiro vilão a “inflamação silenciosa“, que está na base de quase todas as patologias crônico degenerativas, incluindo as patologias cardiovasculares.

Reconhecendo um Erro Básico

Nós médicos, com todo o nosso treinamento, conhecimento e autoridade, frequentemente adquirimos um ego bastante grande que tende a tornar difícil admitirmos que estejamos errados.

Então, aqui vai. Eu admito abertamente estar errado. Como cirurgião cardíaco com 25 anos de experiência, tendo feito mais de 5000 cirurgias de coração aberto, hoje é o meu dia de corrigir o malfeito com fatos médicos e científicos.

Treinei por muitos anos com outros médicos proeminentes rotulados “formadores de opinião”. Bombardeado com literatura científica, continuamente assistindo seminários, nós formadores de opinião insistimos que a doença cardíaca resultava do simples fato de colesterol sanguíneo elevado.

A única terapia aceita era prescrever medicações que abaixam o colesterol e uma dieta que restringe severamente a ingesta. A segunda parte, é claro, insistíamos que iria baixar o colesterol e a doença cardíaca. Desvios dessas recomendações eram considerados heresias e provavelmente resultariam em má-prática.

Não Está Funcionando!

Essas recomendações não são mais científica ou moralmente defensáveis. A descoberta, alguns anos atrás, de que a inflamação na parede arterial é que é a causa real da doença cardíaca, está lentamente levando à uma mudança de paradigma em como a doença cardíaca e outras aflições crônicas serão tratadas.

As antigas recomendações dietéticas criaram uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências fazem qualquer outra praga histórica parecer insignificante em termos de mortalidade, sofrimento humano e impacto econômico.

Mais de 25% da População Americana Usa Estatinas

Apesar do fato de que 25% da população toma medicamentos (estatinas) caros e de que reduzimos o conteúdo de gordura em nossa dieta, mais americanos vão morrer esse ano de doença cardíaca do que nunca.

Estatísticas da Associação Cardíaca Americana mostram que 75 milhões de americanos atualmente sofrem de doença coronariana, 20 milhões tem diabetes e 57 milhões são pré-diabéticos. Essas desordens estão afetando pessoas cada vez mais jovens, em números crescentes a cada ano.

Sem Inflamação Crônica o Colesterol Não Causa Lesão nos Vasos

Colocando de maneira simples, sem a inflamação estar presente no corpo, não há como o colesterol se acumular na parede dos vasos sanguíneos e causar doença cardíaca e infartos.

Sem inflamação, o colesterol vai se mover livremente através do corpo como a natureza quis. É a inflamação que faz com que o colesterol fique preso.

Inflamação aguda não é problema, é simplesmente a defesa natural do seu corpo a um invasor tal como bactérias, toxinas ou vírus. O ciclo da inflamação é perfeito em como ele protege o seu corpo desses invasores bacterianos e virais.

Entretanto, se nós expusermos o corpo cronicamente aos danos causados por toxinas e comidas que o corpo humano nunca evoluiu para processar, ocorre uma condição chamada inflamação crônica. A inflamação crônica é tão maléfica quanto a inflamação aguda é benéfica.

Inicie Por Uma Mudança de Estilo de Vida

Qual pessoa consciente iria de boa-vontade expor-se repetidamente a comidas ou outras substâncias que sabidamente causam mal ao corpo? Bem, os fumantes talvez, mas pelo menos eles fizeram essa escolha conscientemente.

O resto de nós simplesmente seguiu a dieta recomendada que é pobre em gordura saturada e rica em gordura poli-insaturada e carboidratos, não sabendo que estávamos causando agressões repetidas aos nossos vasos sanguíneos. Essa agressão constante cria inflamação crônica, levando à doença cardíaca, infartos, diabetes e obesidade.

Inflamação Crônica É Causada pela Alimentação Inadequada

Deixe-me repetir isso: os danos e a inflamação em nossos vasos sanguíneos são causados pela dieta com pouca gordura, recomendada por anos pela medicina convencional.

Quais são os maiores culpados pela inflamação crônica? Simplesmente, eles são a sobrecarga de carboidratos simples, altamente processados (açúcar, farinha e todos os produtos feitos a partir deles) e do excesso no consumo de ômega-6, presente em óleos vegetais tais como soja, milho e girassol, encontrados em tantas comidas processadas.

Como Surge a Lesão do Endotélio

Tire um momento para visualizar o esfregar de uma escova dura repetidamente sobre pele macia até que ela fique muito avermelhada e próxima do sangramento.

Faça isso diversas vezes ao dia, todo dia por cinco anos. Se puder tolerar a escovação dolorosa, você vai ter um sangramento, uma área inchada e infeccionada que vai ficar pior a cada agressão.

Essa é uma boa maneira de visualizar o processo inflamatório que pode estar acontecendo dentro do seu corpo bem agora.

A Inflamação Crônica Ocorre em Todo o Corpo

Independentemente de onde o processo inflamatório ocorre, interna ou externamente, é o mesmo. Eu já olhei dentro de milhares e milhares de artérias.

Uma artéria doente aparenta como se alguém pegasse uma escova e esfregasse repetidamente contra sua parede.

Diversas vezes por dia, todos os dias, as comidas que comemos criam pequenos ferimentos que se compõem em mais ferimentos, fazendo com que o corpo responda contínua e apropriadamente com inflamação.

Carboidratos Refinados e Gorduras Ruins Causam Inflamação Crônica Silenciosa

Enquanto desfrutamos o sabor delicioso de um rolinho adocicado, nossos corpos respondem alarmantemente como se um invasor tivesse chegado declarando guerra.

Comidas carregadas de açúcar e carboidratos simples, ou processadas com ômega-6 para terem longa duração, têm sido a base da dieta americana por 6 décadas. Essas comidas tem lentamente envenenado a todos.

Como é que que comer um rolinho açucarado cria uma cascata de inflamação que te deixa doente?

A Glicose em Excesso Causa Inflamação nos Vasos

Imagine derramar melado no seu teclado, e você tem um visual do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carboidratos simples tais como açúcar, a glicose no sangue aumenta rapidamente.

Em resposta, o seu pâncreas secreta insulina cujo objetivo primário é direcionar o açúcar às células, onde ele é estocado como energia. Se a célula está cheia e não precisa de glicose, ele é rejeitado para não atrapalhar o funcionamento.

Quando sua célula rejeita a glicose extra, o açúcar no sangue aumenta produzindo mais insulina e a glicose é convertida e armazenada como gordura.

O que isso tem a ver com inflamação? O açúcar sanguíneo é controlado em uma faixa muito estreita. Moléculas “extras” de açúcar se juntam a uma variedade de proteínas que por sua vez danificam a parede do vaso sanguíneo.

Esse ataque repetido dispara a inflamação. Quando você aumenta seu nível de glicose diversas vezes por dia, todo dia, é exatamente como esfregar uma lixa no interior dos seus delicados vasos sanguíneos.

Apesar de você não ser capaz de ver, descanse tranquilo sabendo que ele está lá. Eu vi em mais de 5000 pacientes de cirurgia em um intervalo de 25 anos – todos com um denominador comum: inflamação em suas artérias.

Óleos Vegetais Causam Inflamação Silenciosa

Vamos voltar ao rolinho açucarado. Aparente inocente, a guloseima não apenas contém açúcar, mas também é achada em um dos muitos óleos ômega-6 tais como soja.

Chips e batatas fritas são embebidos em óleo de soja. Comidas processadas são feitas com ômega-6 para ter mais duração. Apesar de os Ômegas-6 serem essências à vida (são parte de cada membrana controlando o que entra e o que sai da célula) – eles precisam estar em equilíbrio com os ômega-3.

Se o balanço se desequilibra pelo consumo excessivo de ômega-6, a membrana celular produz químicos chamados citocinas, que causam inflamação diretamente.

Ômega 6 Oxidado Induz Inflamação Endotelial

A dieta americana padrão vem produzindo um desequilíbrio extremo dessas duas gorduras. A proporção do desbalanço vai de 15:1 a 30:1, a favor do ômega-6. Isso é uma quantidade tremenda de citocinas, causando inflamação. No ambiente alimentar moderno, uma proporção de 3:1 seria ótima e saudável.

Para tornar o caso ainda pior, o peso excessivo que você carrega por comer essas comidas cria células de gordura sobrecarregadas, que produzem grandes quantidades de químicos pró-inflamatórios, adicionando à agressão causada pela alta glicemia sanguínea.

O processo que começou com um rolinho açucarado torna-se um círculo vicioso ao longo do tempo, criando doença cardíaca, pressão alta, diabetes e finalmente doença de Alzheimer, à medida que o processo inflamatório segue incontido.

Mude Sua Dieta, Coma Comida de Verdade!

Não há como escapar do fato de que quanto mais consumimos comidas preparadas e processadas, mais acionamos o processo inflamatório pouco a pouco, diariamente.

O corpo humano não pode processar, nem evoluiu para consumir comidas cheias de açúcar e encharcadas de óleos ômega-6.

Só há uma resposta para aquietar a inflamação, e é retornar às comidas mais próximas de seu estado natural.

Para construir músculos, coma mais proteína. Escolha carboidratos muito complexos tais como frutas coloridas e verduras.

Exclua ou diminua os ômega-6 causadores de inflamações, tais como óleos de soja e milho, trigo e as comidas processadas feitas com eles.

Uma colher de sopa de óleo de milho contém 7.280 mg de ômega-6; óleo de soja contém 6.940 mg. Ao invés, use azeite de oliva ou manteiga de gado alimentado com pasto.

Gordura Animal Faz Mal?

Gorduras animais contém menos de 20% de ômega-6 e são muito menos propensas a causar inflamação do que os supostos óleos poli-insaturados, ditos saudáveis.

Esqueça a “ciência” que foi martelada na sua cabeça por décadas. A ciência de que a gordura saturada sozinha causa doença cardíaca, é inexistente.

A ciência de que a gordura saturada aumenta o colesterol sanguíneo é também muito fraca.

Uma vez que agora sabemos que colesterol não é a causa da doença cardíaca, a preocupação com a gordura saturada é ainda mais absurda atualmente.

A Teoria do Colesterol Pode Estar Errada!

A teoria do colesterol levou às recomendações de pouca ou nenhuma gordura, que por sua vez criaram as mesmas comidas que hoje causa a epidemia de inflamação.

A medicina convencional cometeu um erro terrível quando aconselhou as pessoas a evitar gordura saturada em favor de comidas ricas em gorduras ômega-6. Nós agora temos uma epidemia de inflamação arterial levando a doença coronariana e outros assassinos silenciosos.

O que você pode fazer é escolher comidas integrais que sua avó servia, e não aquelas que para as quais a sua mãe se voltou quando os corredores dos supermercados se encheram com comidas manufaturadas.

Ao eliminar comidas inflamatórias e adicionar nutrientes essenciais de comida fresca, não processada, você vai reverter anos de danos em suas artérias e no resto do corpo, causados pelo consumo da dieta americana típica.

Dr. Dwight Lundell foi Chefe do Corpo Médico e Chefe de Cirurgia no Hospital de Cardiologia de Banner em Mesa, Arizona.

Sua clínica privada, Centro de Cuidado Cardíaco, era também em Mesa. Recentemente, o Dr. Lundell deixou a cirurgia para focar no tratamento nutricional da doença cardíaca.

Ele é o criador da Fundação Humanos Saudáveis, que promove saúde humana com foco em ajudar grandes corporações a promover bem-estar.

Ele é também o autor de A cura para a doença cardíaca e A grande mentira do colesterol.

Fonte: Dr Dwight Lundell

**Apenas a especialidade de Homeopatia é atendida através da Unimed, nas demais áreas, os atendimentos são apenas particulares.