Pular para o conteúdo

Ortomolecular

alimentos

O que devemos evitar em nossa alimentação

Todos sabemos da importância da alimentação, seja para manter, como para recuperar a nossa saúde. Porém grande parte dos médicos não orientam a alimentação dos seus pacientes, ou quando o fazem, limitam-se aos velhos chavões e orientações gerais, como, beba muita água, evite o sal e o açúcar, em suma tenha uma alimentação saudável!.

Porém, quando se faz um tratamento Ortomolecular, as orientações alimentares são de extrema importância, pois sabemos que praticamente todas as doenças crônico degenerativas, como inflamações crônicas, doenças autoimunes, canceres, diabetes, doenças cardiovasculares, neurodegenerativas entre outras, estão fortemente associadas à alimentação.

Como sabemos, vivemos hoje em um mundo muito poluído, e esta poluição é uma causa ainda pouco considerada de inúmeros sinais e sintomas como: mentais como: mente confusa, raciocínio lento, inquietação, emocionais como: apatia, depressão, ansiedade, oscilações de humor e físicos como: cansaço fácil, queda da libido, dores pelo corpo, facilidade para contrair gripes, resfriados e infecções.

Medicina Ortomolecular

Um dos principais pilares da Medicina Ortomolecular, antes mesmo de qualquer reposição de nutrientes,é remover toxinas, metais tóxicos, poluentes, pesticidas, agrotóxicos, xenoestrógenos e alimentos nocivos da dieta, o que por si só, já torna possível o alívio de quadros dolorosos, e o desaparecimento de muitos dos sintomas que incomodam a grande maioria das pessoas, e que não são tratados, mas sim aliviados, com as mais diversas medicações atualmente prescritas.

A alimentação tem papel importante na origem e manutenção da maioria das DOENÇAS E DORES CRÔNICAS. A modificação de hábitos alimentares, e a remoção de toxinas é de suma importância para tratar e curar muitos problemas de saúde, bem como para nos manter saudáveis.

Como sabemos, a nossa reação aos alimentos é muito individual, não existe nenhum alimento que seja bom para todas as pessoas, pois cada um de nós tem sua forma particular de metabolizar os nutrientes. Muitas vezes determinado alimento é “remédio” uns, e “veneno” para outros.

Como regra geral, podemos dizer, que determinado alimento poderá nos fazer mal quando é ingerido com muita frequência e/ou em grande quantidade

Incompatibilidade alimentar

É importante conhecer este conceito, pois muita gente não sabe a diferença entre alergia alimentar, sensibilidade alimentar e intolerância alimentar

  1. Alergia alimentar: é imediata e grave. Ocorre quando alguém que apresenta alergia a camarão ou amendoim, ingere este alimento. Deve ser socorrido imediatamente, pois corre risco de vida. Felizmente é um evento relativamente incomum.
  2. Sensibilidade alimentar: acontece quando comemos algum alimento que é incompatível com nosso corpo, os sintomas não são imediatos, costumam ocorrer até 72 a 96 horas após a ingestão. É o caso de alguém que come queijo numa pizza no sábado, e tem uma enxaqueca na terça ou quarta-feira
  3. Intolerância alimentar: é um fenômeno enzimático.

 O que não devemos comer 

alimentos
alimentos

Em linhas gerais, devemos restringir muito, ou até mesmo eliminar, alimentos como: trigo (farináceos em geral), soja, gordura trans (margarinas), óleos vegetais (todos), adoçantes artificiais, açúcar, leite e derivados (laticínios em geral), sucos de frutas (todos) e sal de mesa refinado (NaCl). Abaixo segue uma lista básica com os principais alimentos que devem ser evitados e opções para substituí-los, quando possível.

Trigo

Ele contém glúten, que é uma proteína composta, pela gliadina e glutenina, quem nos causa problema é a gliadina.

O glúten cola na mucosa do intestino causando inflamação crônica, alterando a permeabilidade intestinal.

O glúten aumenta a pressão arterial e provoca edema (inchaço) das articulações, e por todo o corpo.

São ricos em glúten: trigo, cevada e centeio. Embora citada na literatura como portadora de glúten, a aveia possui apenas uma quantidade residual de glúten, não tendo impacto no nosso metabolismo.

Porém, portadores de doença Celíaca, devem evita-la também.

Opções: a restrição ao trigo e seus derivados, parece ser o maior empecilho quando queremos mudar hábitos alimentares. Aqui a recomendação, é não usar mesmo! Se for impossível ficar sem, usar o mínimo possível, e com a menor frequência possível.

Leite e Laticínios

O ser humano é o único mamífero adulto que toma leite, e pior ainda, de outra espécie animal. O leite é hiper proteico para a espécie humana, e o consumo exagerado do leite é insulinogênico, isto é, pode levar à obesidade e ao diabetes.

Os laticínios criam um meio propício para o crescimento de fungos e bactérias no organismo e podem causar alergias, pois não são benéficos, como é o leite materno.

Os produtos lácteos, também aumentam a mucosidade, piorando as rinites, sinusites, asma e outras doenças respiratórias, e casos de dor crônica. Embora se fale muito sobre a intolerância a lactose. O grande problema para o nosso corpo são as proteínas do leite, que sobrecarregam nosso fígado.

Opções: a saída é não usar, ou usar em pequenas quantidades, e eventualmente. Existem ainda, os “leites” extraídos do arroz, de nozes entre outros, que são benéficos, porém nem todos gostam.

Frutas

Elas não devem ser consumidas em excesso, ou em forma sucos, industrializados, ou mesmo feitos na hora.

As frutas apresentam alto teor de frutose, um tipo de açúcar, que quando em excesso pode se tornar tão nocivo quanto a glicose (em excesso), na verdade a frutose é tratada pelo nosso corpo como uma toxina, que deve ser eliminada pelo fígado.

As fibras presentas na fruta integral, antidotam os efeitos ruins da frutose, por isso, devemos evitar os sucos, pois eles não têm fibras em quantidades suficientes.

Opções: Prefira limão, abacate, abacaxi, ameixa, banana, cereja, goiaba, kiwi, mamão, maracujá, melão, morango (coma frutas diariamente, sempre em pequenas quantidades). Evite sucos, principalmente os industrializados.

Açúcar

O açúcar “rouba” vitaminas e minerais do nosso corpo, para sua metabolização. Ele consome cálcio, cobre e zinco, diminuindo as defesas do organismo como um todo. Quanto mais refinado, mais nocivo é o açúcar.

Opções: Os tipos de açúcar, do menos pior para o pior são: mascavo, demerara, cristal, refinado e o de confeitaria. Se optar pelo açúcar, prefira o mascavo.

Adoçantes

De forma geral, devem ser encarados como tóxicos para o nosso corpo, pois seu uso regular causa ou piora várias patologias. Aspartame, Sucralose, Ciclamato de Sódio, Acessulfame K, Sacarina, Tagatose, e mesmo a Frutose, que é natural, não devem ser usados de forma regular, pois em algum momento vão prejudicar nossa saúde.

Opções: entre as opções que restaram, está a Stevia 100%, que até o momento não tem nenhum estudo mostrando que seja nociva para seres humanos. Recentemente alguns profissionais estão utilizando o Xilitol.

HFCS

Também conhecido como xarope de milho com alta concentração de frutose. É um tipo de adoçante feito a partir da frutose extraída do milho, e muito mais doce e mais barata do o açúcar de cana. E largamente usado pela indústria alimentícia, em praticamente todos alimentos processados. Se você utiliza muitos alimentos industrializados, você está consumindo muito HFCS, e provavelmente não está saudável.

Opções: tentar consumir o mínimo de produtos industrializados, coma comida de verdade!

MSG

MSG é abreviação de Glutamato Monossódico, é outra importante toxina presente nos alimentos industrializados. O MSG é um realçador de paladar, isto é, faz você querer comer sem parar. E como a nossa legislação é muito branda com relação a sua presença nos alimentos industrializados, a indústria alimentícia utiliza-o, em muitos alimentos processados como: biscoitos, bolos, bombons, cereais (trigo/aveia/centeio/cevada), “catchup”, doces, maioneses, milho, molhos prontos, “nuggets” de frango, panquecas, pães, pizzas, rosquinhas, sopas prontas, shoyu, sucos de frutas e “waffles”. MSG é neurotóxico! Várias doenças neurodegenerativas são causadas ou pioradas por ele.

Opções: NÃO USAR!!

Gorduras Trans

É o antinutriente mais fartamente presente em produtos industrializados, notadamente margarinas e biscoitos. Nossa legislação também é muito leniente em relação ao seu uso. Nosso corpo não precisa de gorduras trans, portanto se quiser ter boa saúde, evite-os.

Opções: NÃO USAR!!

Óleos vegetais

O primeiro óleo vegetal foi introduzido nos USA em 1911, chamava-se Crisco. Até então praticamente não havia relato de infartos na população americana, que utilizava a banha de porco em larga escala. A partir da introdução de vários óleos vegetais em substituição à gordura de porco, os índices de doenças cardiovasculares só têm aumentado. Portanto sempre que possível evite cozinhar com óleos vegetais, há exceções, que citarei mais abaixo.

Opções: podemos usar banha de porco, óleo de coco para cozinhar, azeite de oliva para temperar saladas

Refrigerantes

Penso ser desnecessário seu uso para quem quer ter uma vida saudável. Refrigerantes de qualquer tipo, são extremamente ácidos para o nosso corpo. Para compensar a acidez de 1 copo de qualquer refrigerante (pH 2.5) são precisos 32 copos com água, para que o corpo normalize seu pH!

Opções: água de boa qualidade

Sal de cozinha refinado

O sal integral tem mais de 80 minerais, porém quando e passa pelo processo de refinamento, para ficar fino e branquinho, são retirados todos os minerais, menos o Sódio e o Cloro (NaCl).

Além deste empobrecimento pela perda dos minerais, são incluuídas substâncias branqueadoras e anti umectantes, para que ele fique soltinho, é por isso que este tipo de sal deve ser substituído em nossa alimentação, a seguir veremos o que devemos colocar na nossa alimentação saudável.

Opções: usar sal integral NÃO refinado. Pode ser flor de sal, sal do Himalaia ou até mesmo sal de churrasco. Basta colocar no triturador e usar. O sal integral não causa elevação da pressão arterial, diferentemente do sal de cozinha refinado, e de bônus, ainda nos fornece pequenas doses de mais de 80 minerais!

Água, este nutriente importante deixado em segundo plano

A água é quase sempre esquecida nas orientações dietéticas, pois não é considerada um nutriente, por grande parte dos profissionais de saúde.

É essencial o consumo de água de boa qualidade, de preferência alcalina, ou pelo menos que não seja ácida, pois grande parte das águas minerais mais vendidas, têm pH ácido, basta conferir nos rótulos.

O pH fisiológico do nosso sangue fica entre 7,35 e 7,45. Escolha uma água com pH ao menos superior a estes valores

Para uma alimentação saudável

Sei que para muitos, fazer todas essas mudanças no hábito alimentar, será muito difícil, mas vai aqui um conselho, mude o que puder agora, e aos poucos, vá mudando os aspectos mais difíceis.

no nosso dia a dia, devemos consumir pouca carne vermelha, peixes de água salgada e outras carnes brancas. Os peixes, principalmente os mais ricos em gordura (atum, cavala, cavalinha, salmão, sardinha), fazem bem para a maioria das pessoas.

Feijão e arroz, integral de preferência, podem ser usados, pois além de saudáveis para quase todos, ainda é o prato básico da culinária brasileira, uma rica combinação de aminoácidos importantes para nosso corpo.

Usar muitos legumes, verduras e ovos.

Comer frutas com moderação, e sempre a fruta total, pois têm fibras, e não seu suco.

 

** Realizo este tratamento apenas de forma particular**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

Leia Mais

Acupuntura

origens energéticas doenças

Origens Energéticas do nosso Adoecimento

Nossa saúde depende em grande parte de como estavam (energeticamente) nossos pais no momento da nossa concepção. Pais com idade avançada geralmente tem deficiência em vários órgãos e isto vai ser transmitido ao filho.

emoções e doenças
emoções e doenças

A saúde que herdamos de nossos pais

Pais que fazem uso de drogas legais ou não também tem mais chances de gerar filhos com algum tipo de desequilíbrio energético. Nossos pais são responsáveis por nossa energia pré-natal, aquela que não é reposta. Depois do nascimento até a adolescência temos alguns fatores que agem exclusivamente neste período.

O papel da amamentação

A amamentação é muito importante, pois ajuda a fortalecer a energia do baço-pâncreas-estômago, o que pode evitar vários transtornos alimentares, entre eles a obesidade. As emoções afetam direta ou indiretamente as crianças, embora de forma menos intensa que nos adultos, pois as crianças tendem a reprimir menos suas emoções.

Pais autoritários

De uma forma indireta o comportamento dos pais pode provocar sintomas nos filhos. Um exemplo muito comum são as crianças maiores que tem enurese noturna (urinam na cama). Geralmente por trás, existem pais autoritários, que deixam estas crianças medrosas, inseguras e/ou ansiosas, e estas emoções vão lesar a energia do rim. Como é a energia do rim quem controla os esfíncteres, vamos ter a perda de urina. Crianças que vivem sob tensão constante costumam apresentar quadros de dor cabeça, está tensão geralmente vem do ambiente familiar.

Qual atividade física é mais indicada para as crianças

Outro fator neste período são os esportes. Aqui vamos ter dois aspectos a considerar, o tipo e a intensidade.

De uma forma geral crianças mais tímidas, quietas, friorentas, devem buscar esportes fora da água, para se aquecerem e transpirarem bastante.

Já crianças mais inquietas, calorentas devem fazer atividade física na água. Por fim com a excessiva liberalização dos costumes a atividade sexual tem se tornado cada vez mais precoce.

Atividade sexual excessiva lesa o qi do rim

A atividade sexual precoce e excessiva acaba por consumir muito a essência vital principalmente dos homens, geralmente isto vai repercutir anos mais tarde como quadros de impotência ou ejaculação precoce.

Fatores de desequilíbrio

Existem alguns fatores que nos levam a diferentes graus de desequilíbrio, grosso modo podemos classificá-los em externos, internos e nem externos nem internos.

Dentre os fatores externos temos o clima, as radiações, e outros como ambiente de trabalho, atividade profissional, atividade física, atividade sexual, entre outros.

Como fatores internos temos as emoções, os pensamentos e os estados mentais.

Como fatores nem externos nem internos podemos colocar a alimentação e a respiração.

Quais fatores podemos controlar?

Desta lista resumida podemos observar que sobre alguns fatores temos controle quase que total e em relação a outros não temos praticamente nenhum.

Por exemplo, sobre o clima nosso controle é nulo.

Sobre as emoções é quase nulo.

Mas sobre a alimentação pode ser total.

As emoções atuam sobre nós 24 horas por dia

Destes fatores os que nos lesam de forma mais constante são as emoções, porque além de não as controlarmos, elas nos lesam durante as 24 h do dia.

Mas com certeza nós não somos afetados de maneira uniforme pelos vários fatores de desequilíbrio.

Isto podemos observar quando um determinado tipo de comida, não deteriorada, faz mal para uma pessoa e não a outras.

Mas o que determina está variabilidade? A resposta é a nossa constituição, que basicamente vai ser determinada por nossa carga genética em combinação com dos fatores citados acima.

Texto extraído do livro “Mudança de Hábito Alimentar” 

 

Mudança Hábito Alimentar
Mudança Hábito Alimentar

Dr. Fabio Pisani

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

Site: www.fabiopisani.med.br

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

Leia Mais
dieta emagrecimento

Acupuntura e emagrecimento, saiba como ela pode reduzir o apetite

A Acupuntura no emagrecimento é muito útil, pois pode ajudar a reduzir a ansiedade, o apetite e até a compulsão por doces, pois equilibra um sistema chamado de Baço-pâncreas pelos chineses.

acupuntura e emagrecimento
acupuntura e emagrecimento

O baço-pâncreas, o transformador dos alimentos

Para a antiga Medicina Tradicional Chinesa (MTC), o baço-pâncreas era considerado o “transformador dos alimentos”. Para os chineses daquela época transformar os alimentos, seria equivalente ao nosso processo de digestão dos alimentos.

Na realidade o baço e pâncreas, como sabemos hoje em dia, são estruturas distintas, mas que energeticamente executam a mesma função, juntamente com o estômago, que completa a relação órgão – víscera.

Estruturas “regidas” pelo baço-pâncreas

As estruturas regidas são: todo o sistema linfático, inclusive amígdalas, em parceria com o pulmão, o tecido conjuntivo, o timo, os músculos e a boca.

Excesso de preocupação lesa o baço-pâncreas

Do ponto de vista emocional, o que afeta a energia do baço-pâncreas são as preocupações, as ideias fixas, as obsessões, tudo o que usar demais o pensamento e a reflexão. A diminuição da memória também pode ocorrer nas patologias associadas ao baço-pâncreas. Isto a nível prático podemos ver nas doenças mais comumente associadas ao baço-pâncreas que são o diabete e a obesidade. Então, aí vão dois conselhos: não se preocupe em demasia. Preocupar-se (ocupar-se antes), em excesso, geralmente faz com que atuemos pouco, além de lesar o baço-pâncreas. Evite o excesso de atividade intelectual, sem pausas para lazer que, além de lesar o baço-pâncreas, faz diminuir o rendimento, aumenta a vontade de comer doces, e faz crescer a barriga. E pior ainda, em alguns casos, tudo isto de uma só vez.

Então… preocupe-se menos

Recomendações: preocupar-se só o necessário, e durante o menor tempo possível. Quando estiver estudando continuamente, programar-se para fazer pausas regulares para lazer, ou simplesmente fazer nada, sem sentimento de culpa, com certeza seu rendimento vai ser bem melhor.

Digestão, transporte e armazenamento dos alimentos

Energeticamente o baço-pâncreas é responsável pela captação da parte yin da nossa energia que vem dos alimentos. Suas funções estão ligadas à digestão, transporte e armazenamento. Neste processo ocorre a separação do puro do impuro. O que for puro vai ser encaminhado ao rim para se juntar à parte yang que veio do pulmão, e formar a nossa energia vital adquirida. Quando este processo é perturbado de alguma maneira surgem as doenças ligadas ao excesso de armazenamento, que são as obesidades em suas formas ou as ligadas à má absorção, que são os quadros de desnutrição, as anemias e a anorexia. Em suma, um baço-pâncreas em desarmonia pode levar tanto a um quadro de obesidade quanto a um quadro de magreza exagerada.

Sabe aquela sensação corpo pesado

Um dos primeiros sinais de que o baço-pâncreas não está bem é a sensação de peso no corpo (nas pernas principalmente), de moleza e sonolência. Isto basicamente deve-se ao excesso de umidade que se acumula no organismo, umidade esta que pode ser também de origem climática. Isto acontece quando chove muito ou quando vamos para lugares muito úmidos. A causa pode ser também de origem alimentar, quando comemos muitos doces, verduras cruas ou frutas por tempo prolongado ou quando simplesmente comemos demais.

Doenças da boca

As patologias que ocorrem na boca são em parte associadas ao baço-pâncreas, como as gengivites, em parceria com o estômago e as aftas. Na realidade, a boca é a abertura externa do baço-pâncreas, assim como o nariz é a do pulmão.

É o baço-pâncreas que mantém tudo lugar em nosso corpo

Energeticamente o baço-pâncreas faz a energia subir enquanto o estômago a faz descer. Ele também mantém tudo em seu devido lugar. Por isso as quedas de útero, de bexiga, as papadas caídas, a “barriga em avental“, os seios caídos são ocasionados pela diminuição da energia do baço-pâncreas. Quem mantém o sangue dentro dos vasos também é o baço-pâncreas, quando isto não ocorre, vamos teremos hematúria, hemorragias uterinas e os hematomas espontâneos.

Náuseas, vômitos e diarreia

Quando temos náuseas ou vômitos é sinal de que o estômago não está mandando a energia para baixo, e por isso as coisas tendem a subir e então podem surgir os vômitos. Com o baço-pâncreas já acontece o oposto, se ele não executa suas funções ascendentes, as coisas não ficam no lugar e tendem a descer, surgem as diarreias.

Umidade excessiva prejudica o baço-pâncreas

Quando o baço-pâncreas está desequilibrado, os sintomas vão estar quase sempre ligados à presença de umidade, seja ela do ambiente externo, ou provocada pela alimentação inadequada. Mas a correção deste desequilíbrio sempre passa pela alimentação, porque a principal função do baço-pâncreas está ligada à assimilação dos alimentos.

Desejo de doces 

Com relação ao sabor, quando o baço-pâncreas está desgastado surge o desejo de coisas de sabor doce que, para ser benéfico, deverá ser satisfeito, mas com moderação. Na verdade, a nossa alimentação do dia a dia deve ter um pouco de cada sabor (azedo, amargo, doce, picante e salgado), porque aí vamos estar tonificando todos os órgãos.

 

Texto extraído do livro “Mudança de Hábito Alimentar”.

acupuntura equilíbrio
acupuntura equilíbrio

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

Leia Mais

Todos

Andropausa Hormônios Bioidênticos

Andropausa Masculina, saiba os sintomas e como tratar com Hormônios Bioidênticos

À medida que os homens envelhecem, seus níveis de testosterona começam a diminuir. Esta queda é chamada de andropausa, em analogia à menopausa das mulheres. Esta condição hormonal masculina também é, mais corretamente chamada, de hipogonadismo masculino tardio.

Homens entre 40 a 55 anos, podem apresentar sintomas semelhantes à menopausa, porém, diferentemente das mulheres, os homens não têm um momento específico como a interrupção da menstruação, para marcar o início desta fase.

Queda gradual dos níveis de testosterona  

Nos homens, a queda dos níveis de testosterona produz mudanças, que ocorrem muito gradualmente como: mudanças de humor, fadiga, perda de energia, libido, força e agilidade física, entre outros.

É importante frisar, que nem todos os homens apresentam sintomas chamativos durante a andropausa, portanto, embora todos apresentem diminuição dos níveis de testosterona, nem todos irão necessita de uma modulação hormonal.

Andropausa e Menopausa

Ao contrário da menopausa, na qual a deficiência de estrogênio é completa e provoca alterações clínicas conhecidas, o declínio da testosterona nos homens idosos é menos acentuado, do que a queda dos estrógenos nas mulheres, por isso os sintomas da andropausa são menos intensos.

Sabemos que existem receptores para testosterona em todo o nosso corpo, e por incrível que parece, a maior concentração de receptores para testosterona encontra-se no coração! Podemos dizer que a testosterona é um hormônio, também sexual, mas com certeza, não exclusivamente sexual.

O que é hipogonadismo masculino

O hipogonadismo masculino é uma condição na qual o testículo não produz quantidades suficientes de testosterona.

As causas de hipogonadismo masculino são:

  1. Doenças genéticas
  2. Malformações dos testículos ou da hipófise
  3. Infecções, como a caxumba por exemplo
  4. Traumas testiculares
  5. Uso de algumas drogas e medicamentos, como os anabolizantes por exemplo

Quando o hipogonadismo surge ainda na vida intrauterina, ocorrem malformações dos órgãos genitais.

Se o hipogonadismo surge em pré-adolescentes, o jovem não desenvolve os típicos sinais da puberdade masculina, como pelos no corpo, mudança da voz, ganho de massa muscular, aumento dos testículos e do pênis.

Já no adulto jovem o hipogonadismo causa infertilidade, diminuição da libido, queda de pelos, perda de massa muscular e outros sintomas de deficiência de testosterona.

“Estrogenização” masculina

Atualmente vivemos uma “estrogenização” não só da espécie humana, mas praticamente de todos os seres vivos. A intensa contaminação ambiental por substâncias chamadas xenoestrógenos (moléculas semelhantes aos estrógenos), que ocupam os receptores estrogênicos. A continuar assim, em algumas décadas, teremos homens cada vez mais com características femininas, será o fim dos machos como conhecemos hoje. Muito provavelmente, o nascimento de crianças pelo método natural (o sexo), será cada vez mais raro, dando lugar às fertilizações em laboratório. Observando bem, isso já está acontecendo atualmente.

Porque acontece a Andropausa

Como já dito, a função dos testículos e a produção de testosterona, declinam gradualmente com a idade, em cerca de 1,3% por ano após os 40 anos.

Uma discreta deficiência de testosterona em homens de meia-idade pode ser considerada um fenômeno inerente ao envelhecimento, a questão é saber quando essa deficiência precisa de uma modulação hormonal.

É importante salientar o declínio da testosterona em homens mais velhos não produz nenhuma alteração clínica grave, apenas, a qualidade de vida pode ficar muito prejudicada. A testosterona é o hormônio do “tesão” pela vida, e não apenas sexual!

Andropausa Masculina Hormônios Bioidênticos
Andropausa Masculina Hormônios Bioidênticos

Sinais e Sintomas da Andropausa

Embora a andropausa ainda não seja aceita por toda comunidade médica como uma fase da vida do homem, que precisa de atenção, como a menopausa nas mulheres, alguns sinais e sintomas relacionados a ela são:

  1. Diminuição ou perda da libido
  2. Disfunção erétil e/ou impotência
  3. Redução do volume da ejaculação
  4. Redução da massa óssea, podendo evoluir para osteopenia/osteoporose
  5. Sarcopenia (redução da massa muscular) e diminuição da força muscular
  6. Anemia, pois a testosterona estimula a produção de glóbulos vermelhos
  7. Perda de pelos corporais
  8. Aumento do percentual de gordura corporal (gordura abdominal)
  9. Alterações do humor como: depressão, ansiedade, irritabilidade
  10. Alterações da memória e dificuldade de concentração
  11. Perda de interesse e piora da performance no trabalho
  12. Pessimismo e falta de perspectiva

É claro que nem todas as alterações descritas acima estão associadas apenas à redução dos níveis de testosterona, podem estar associadas ao stress, e ao envelhecimento por exemplo. Quando estes sintomas têm como causa principal a redução dos níveis de testosterona, a sua reposição costuma melhorar o quadro.

Exames laboratoriais para diagnosticar

o diagnóstico da andropausa, é relativamente simples, a partir das queixas relatadas pelo próprio paciente, ou em muitas vezes pela sua companheira, podemos, a partir de exames laboratoriais corriqueiros, identificar se realmente de trata de um quadro de baixos níveis de testosterona.

Os exames mais importantes são: testosterona total e livre, SHBG, FSH e LH.

O que podemos encontrar está resumido logo abaixo, é importante dizer, que a alteração de apenas um destes parâmetros, não indica necessariamente andropausa.

  1. Queda da testosterona total
  2. Aumento da Globulina Transportadora de Hormônios Sexuais ou SHBG. Esta globulina em níveis elevados diminui a testosterona livre e a testosterona biodisponível
  3. Aumento de FSH e LH
  • Estes exames devem ser sempre interpretados por um médico.

Medidas de suporte

Antes do tratamento em si, algumas medidas gerais devem ser adotadas, para que a qualidade de vida mude para melhor, são elas:

  1. Pratica de exercícios físicos, se possível, de intensidade moderada para intensa´
  2. Reeducação alimentar
  3. Destoxificação, visando principalmente a eliminação de xenoestrógenos
  4. Redução do uso de bebidas alcoólicas
  5. Parar de fumar
  6. Práticas para redução de stress, meditação e yoga, por exemplo
  7. Reposição hormonal bioidêntica, de acordo com os dados laboratoriais e quadro clínico

O que são  Hormônios Bioidênticos

Quando falamos em reposição hormonal, logo o que vem à mente, são as mulheres no período do climatério e pós menopausa. Porém todas as glândulas do nosso corpo, depois de certa idade começam a funcionar de forma mais lenta, temos então a menopausa (ovários), andropausa (testículos), adrenopausa (adrenais), tireopausa (tireoide). Embora nem todas essas pausas sejam bem estudadas, todas elas ocorrem.

Os hormônios bioidênticos são moléculas exatamente iguais às que nossas glândulas produzem. Eles são sintetizados a partir do colesterol, soja e do inhame por exemplo. Existem apenas dois grandes laboratórios mundiais que produzem hormônios bioidênticos, e os distribuem para laboratórios menores.

A testosterona foi o primeiro hormônio bioidêntico, a ser criado em laboratório, isso ocorreu na década de 40. Eles já são utilizados em vários países há várias décadas. Aqui no Brasil, sua utilização começou a pouco mais de 10 anos.

Os hormônios não bioidênticos, são moléculas estranhas ao nosso organismo, e mesmo quando prescritos de forma adequada por médicos, ainda assim costumam apresentar efeitos indesejáveis, e em alguns casos, graves.

Ações da Testosterona Bioidêntica

Embora seja mais conhecida como hormônio sexual, o fato é que as ações da testosterona extrapolam em muito a área sexual

Abaixo algumas das ações da testosterona

Sistema cardiovascular

Os receptores para testosterona, distribuem-se amplamente pelos vasos, como a aorta, e células atriais e ventriculares. Existem mais receptores para a testosterona no músculo cardíaco que em qualquer outro tecido do corpo. A testosterona tem ação vasodilatadora, facilitando o fluxo sanguíneo em artérias que apresentem placas ateroscleróticas, como as coronárias e as cerebrais. Poderíamos até dizer, que a testosterona é um hormônio cardíaco, com repercussões também sexuais!

Metabolismo dos carboidratos

A testosterona bioidêntica aumenta a sensibilidade à insulina e melhora o controle da glicemia. É importante frisar, que a modulação hormonal com testosterona bioidêntica, não produz os mesmos efeitos colaterais que a reposição com testosterona não-bioidêntica, sendo, portanto, mais segura e recomendada.

Ações na área sexual

A diminuição dos níveis de testosterona está associada a diminuição da libido, impotência, dificuldades em manter a ereção e diminuição do volume ejaculatório. Um sinal de simples observação é a diminuição da frequência de ereções matinais, aquela ereção involuntária que está presente no momento em que acordamos, quando essas ereções começam a desaparecer, é sinal de os níveis de testosterona estão diminuídos.

Cansaço sem causa aparente

A testosterona tem ação sobre nosso metabolismo energético. Quando ela está diminuída, pode causar sensação de cansaço, preguiça, fadiga muscular e a sensação de que as tarefas diárias precisam de grande esforço para serem executadas.

Falta de memória e concentração

A testosterona importante ação no cérebro, principalmente em regiões relacionadas com a cognição e a concentração. Assim, seu declínio está associado a diminuição na capacidade de aprendizado, dificuldade de concentração e diminuição da memória.

Humor

A deficiência de testosterona, está associada a depressão. A reposição de testosterona pode aumentar a sensação de bem-estar, e melhorar o humor. Muitos casos de depressão masculina, a partir de 45-50 anos, podem ter como causa, a queda dos níveis de testosterona.

Efeitos sobre a Massa Muscular, Gordura Corporal e Massa Óssea

Estudos científicos têm demonstrado que a modulação com testosterona bioidêntica atua de forma favorável na composição corpórea, facilitando o aumento de massa muscular e diminuindo a gordura corporal, principalmente na região abdominal. Foi observado também aumento da massa óssea, redução na susceptibilidade às fraturas.

Sono

O declínio hormonal é responsável pela diminuição da qualidade do sono, principalmente na fase de sono REM (sono profundo), que representa aproximadamente 20% do tempo total de sono e é considerada a fase de reparação do corpo e da mente. Os homens com déficit de testosterona apresentam problemas como insônia e a sensação de que o descanso não foi suficiente para renovar a energias.

Formas de uso

Diferentes formas de preparação e aplicação estão disponíveis para o tratamento com testosterona bioidêntica como: intramuscular, oral, sublingual e transdérmica.

Do meu ponto de vista, a via transdérmica é a ideal para se fazer uma modulação hormonal por longos períodos, por sua segurança e também pela facilidade de podermos individualizar as doses de acordo com cada caso, respeitando a individualidade bioquímica de cada pessoa.

Recomendo que todo homem avalie seus níveis de testosterona regularmente, pois a normalização dos níveis de testosterona pode trazer muitos benefícios a saúde física, mental e vida sexual, melhorando assim a qualidade de vida.

Vantagens da terapia de reposição hormonal bioidêntica (TRHB)

Um grande diferencial da TRHB, além das moléculas serem 100% idênticas às que o nosso corpo produz, é que por serem manipuladas, as doses podem e devem ser personalizadas para cada pessoa.

Também podem ser prescritas em diversas formas, tais como: cápsulas orais, tabletes sublinguais, cremes tópicos e gel, cremes vaginais, supositórios. As diferentes vias de administração possibilitam melhor absorção e uso de doses menores, reduzindo os riscos de superdosagem.

Os hormônios bioidênticos podem ser sexuais, como o estradiol, estriol, progesterona, testosterona, que são os mais conhecidos e utilizados. Mas existem vários outros, como o cortisol, melatonina, DHEA, T4, T3 entre outros.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

Dr Fabio Pisani, 2018
Leia Mais
hipotireoidismo sinais sintomas

Hipotireoidismo, entenda quando os tratamentos não resolvem os sintomas

A tireoide, essa glândula em forma de asa de borboleta que fica na parte anterior do pescoço, influencia praticamente todas as células do organismo.

Os dados mostram que cerca de 60% das pessoas com disfunção tireoidiana não sabem que estão nesta condição.

Disfunções da tireoide podem estar associados a quadros de fibromialgia, síndrome do intestino irritável, eczema, gengivite e distúrbios autoimunes, por exemplo

As mulheres são muito mais susceptíveis ao mau funcionamento da tireoide do que os homens, algo como 9 mulheres para cada 1 homem afetados por hipotireoidismo.

Funcionamento da Tireoide

A glândula tireoide secreta quatro hormônios: T1, T2, T3 e T4. O número indica o número de moléculas de iodeto ligadas ao hormônio.

Os hormônios tireoidianos interagem com outros hormônios, tais como insulina, cortisol e hormônios sexuais.

O câncer da tireoide age de forma diferente de outros tipos de câncer

Embora não seja minha área, gostaria de fazer alguns comentários acerca do câncer de tireoide.

Sem dúvida a detecção precoce dos canceres em geral, sem dúvida melhora muito o prognóstico e a qualidade de vida de quem apresenta este quadro.

Mas no caso do câncer de tireoide, as cosas parecem não funcionar desta forma. Boa parte dos cânceres de tireoide evoluem muito lentamente, e a glândula poderia ser preservada, evitando-se assim procedimentos mais radicais. Claro que em alguns casos, é necessário sim um procedimento mais agressivo.

Porém em muitos casos, o rastreamento do câncer de tireoide produzirá um resultado falso positivo, encontrando cânceres que jamais cresceriam na forma de tumores ameaçadores à vida. No entanto, uma vez descoberto, a maioria dos médicos sente-se na obrigação de recomendar tratamento que geralmente inclui remoção da glândula tireoide, o que pode produzir efeitos colaterais significantes.

Talvez você tenha Hipotireoidismo e não saiba

hipotireoidismo sinais sintomas
hipotireoidismo sinais sintomas

O número de pessoas diagnosticadas com hipotireoidismo, nos Estados Unidos aumentou tanto que a Levotiroxina (T4) é o medicamento mais prescrito, ultrapassando as estatinas em 2015.

Foi feito um estudo na Europa no qual os pesquisadores compararam os resultados da administração de T4 com os exames laboratoriais para medir função tireoidiana, justamente para avaliar a eficácia deste tratamento.

Os médicos geralmente solicitam um teste de TSH, prescrevendo medicamentos quando os níveis estão levemente elevados, mesmo que o paciente não reclame de sintomas significantes.

Mas o que mais acontece é o contrário, pacientes com sintomatologia exuberante de hipotireoidismo, com exames dentro da normalidade, ficam sem tratamento adequado, até que os exames se alterem. Infelizmente a maioria dos médicos desconhecem o hipotireoidismo subclínico, no qual os exames estão normais.

Retardantes de chamas afetam o funcionamento da Tireoide

A medida que envelhecemos, o hipotálamo, a hipófise e a tireoide também envelhecem, logo é esperado que o envelhecimento produza um certo grau de hipotireoidismo em quase todos nós.

Deficiência de Iodo e função tireoidiana

Existem muitos fatores externos e internos que também podem diminuir a ação dos hormônios da tireoide.

Embora existam controvérsias, acredito que grande parte da população do planeta apresenta alguma deficiência de iodo. A iodetação do sal de cozinha serve apenas para evitar o aparecimento do bócio, mas não consegue suprir nossas necessidades de iodo e iodeto.

A propósito, tireoide absorve iodo na forma de iodeto, porém outros órgãos como as mamas, a pele, a próstata, ovários, esôfago necessitam de iodo.

Porém a presença de iodo na nossa dieta, não é suficiente para o bom funcionamento da tireoide, pois os minerais como cloro, flúor e bromo são “concorrentes” do iodo.

“Concorrentes” do Iodo

O T4 é formado de 2 moléculas de tirosina e 4 átomos de iodo, em tese.

Com a excessiva presença de cloro e flúor na água e em outros produtos, e do bromo, no pão e também como retardante de chamas nos carpetes e nos carros. Podemos ter uma molécula de T4 composta pelas tirosinas, mas sem iodos, apenas com bromo, cloro e flúor. O que implica em ter um T4, não funcional, porém isso não pode ser detectado pelos exames disponíveis atualmente.

Sintomas de Hipotireoidismo

Alguns sintomas de hipotireoidismo são:

  1. Muito cansaço e desânimo, sem causa aparente
  2. Fadiga crônica
  3. Dores pelo corpo
  4. Fibromialgia
  5. Pele seca
  6. Queda de cabelo
  7. Unhas fracas
  8. Libido diminuída
  9. Infecções recorrentes
  10. Confusão mental (brain fog)
  11. Diminuição da memória e da concentração
  12. Ganho de peso sem grandes exageros alimentares
  13. Dificuldade para emagrecer e facilidade para engordar
  14. Metabolismo lento
  15. Sensibilidade ao frio (precisa colocar meias para dormir)
  16. Dificuldade para transpirar, mesmo fazendo exercícios
  17. Rouquidão
  18. Palpitações
  19. Ansiedade
  20. Depressão
  21. Enxaqueca
  22. Elevação dos níveis de colesterol (mesmo com alimentação adequada)
  23. Desejo de doces
  24. Constipação intestinal
  25. Retenção de líquidos e inchaço
  26. Irregularidades no ciclo menstrual

Outras formas de tratar o Hipotireoidismo 

Existem diversas estratégias naturais que podem ajudar a regularizar o funcionamento tireoidiano.

Na Ortomolecular podemos utilizar procedimentos que vão desde a destoxificação das substancias que podem estar impedindo o transporte e a ação dos hormônios tireoidianos, a suplementação de iodo, zinco, selênio, tirosina, por exemplo que irão ajudar na síntese T4 e T3.

Também podemos tratar os sintomas resultantes do hipotireoidismo com a Acupuntura e com a Fitoterapia.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

Dr Fabio Pisani, 2017
Leia Mais
hormônios bioidênticos

Hormônios Bioidênticos, uma outra forma de fazer reposição hormonal

A modulação com hormônios bioidênticos busca repor da forma mais natural e fisiológica possível, o declínio dos vários hormônios que produzimos, que ocorre ao longo do nosso processo de envelhecimento, mantendo assim a nossa saúde e bem-estar.

A produção de hormônios pelo organismo humano começa a decrescer após determinada idade, são as pausas: menopausa (ovários), andropausa (testículos), tireopausa (tireoide), adrenopausa (adrenais), enfim, todas as nossas glândulas envelhecem.

Nossos hormônios começam a diminuir progressivamente de 1 a 3 % por ano, em média, a partir dos 25 e 30 anos de idade. Esta queda contribui para os sintomas do envelhecimento como cansaço, diminuição da memória, aumento de peso, diminuição da libido, aumento de flacidez e rugas, mudanças de humor, também para o aumento dos riscos de doenças do envelhecimento como câncer, Alzheimer, doenças cardiovasculares, entre outras.

Nas mulheres, a menopausa, além de determinar o fim dos ciclos reprodutivos, também produz uma série de sintomas desagradáveis. Esta fase é o climatério, período que antecede a menopausa, propriamente dita.

Nos homens, o declínio dos níveis de testosterona pode causar: diminuição da massa e força muscular, diminuição da libido, aumento de gordura abdominal (associada à resistência à insulina), osteopenia, lentidão de raciocínio, esquecimentos, depressão e/ou irritabilidade, insônia, diminuição da sensação de bem-estar geral.

Que são os Hormônios 

Hormônios são substâncias químicas que transferem informações entre as células do nosso organismo. Os hormônios regulam o envelhecimento no adulto, e o desenvolvimento na criança, controlam as funções de muitos tecidos, auxiliam as funções reprodutivas, e regulam o nosso metabolismo.

Os hormônios circulam pelo sangue até atingirem seus tecidos-alvo, onde eles ativam uma série de alterações químicas. Para executar sua função, um hormônio precisa ser reconhecido pelo seu receptor, como num sistema de chave-fechadura. Quando um hormônio se liga ao seu receptor, as moléculas de ambos passam por alterações estruturais que ativam mecanismos no interior da célula, que produzem os efeitos especiais induzidos pelos hormônios.

Quando os hormônios usados não exatamente iguais ao que nosso corpo produz, esta ligação fica prejudicada, podendo até mesmo nem acontecer.

A atividade de um hormônio depende em parte da sua estrutura química, que possibilita sua ligação a um receptor.

Quando são utilizados hormônios não bioidênticos, esta ligação fica prejudicada, podendo até mesmo nem ocorrer. Neste caso, estas substâncias podem não apresentar o efeito desejado, e até mesmo provocar efeitos adversos.

Por outro lado, ao utilizarmos hormônios bioidênticos, a ligação com o receptor ocorre de forma adequada, e consequentemente também a ação hormonal.  Desta forma, o organismo pode retornar aos níveis hormonais otimizados.

Que são hormônios bioidênticos

Os hormônios bioidênticos são hormônios que têm exatamente a mesma estrutura química e molecular encontrada nos hormônios produzidos pelo nosso corpo, por este motivo têm ação mais fisiológica e natural dentro do nosso organismo.

É importante frisar que, mesmo os hormônios bioidênticos devem ser utilizados respeitando dosagens fisiológicas em pacientes com deficiências. Não é recomendado seu uso em altas doses com qualquer finalidade estética.

Qual é a diferença entre Modulação Hormonal e Reposição Hormonal?

É muito importante saber, que reposição hormonal é diferente de modulação hormonal.

A reposição hormonal convencional visa substituir os hormônios que estão em níveis muitos baixos, e traze-lo a um nível comparado com os indivíduos da mesma idade, necessita-se então doses mais elevadas de hormônios para restabelecer a deficiência grave já instalada.

Já na modulação hormonal, o objetivo é prevenir que os hormônios declinem ainda mais a ponto de produzirem sintomas indesejáveis. Ou seja, a modulação hormonal, procura reestabelecer o equilíbrio hormonal com pequenas doses hormonais, de maneira fisiológica.

hormônios bioidênticos reposição hormonal
hormônios bioidênticos reposição hormonal

Classificação dos hormônios segundo sua origem

  1. Hormônio Natural: o termo natural diz respeito a uma substância retirada da natureza, que não passa por nenhum processo de transformação industrial e pode ser de origem vegetal, animal ou mineral.
  2. Hormônio Sintético: o termo sintético refere-se a uma substância que passou por um processo industrial de síntese, transformação ou modificação em sua estrutura química. Desse modo, os termos natural e sintético referem-se à origem ou à fonte de uma substância e não estão relacionados a sua estrutura química.
  3. Hormônio Bioidêntico: O termo bioidêntico refere-se a uma substância cuja estrutura molecular é exatamente idêntica à dos equivalentes produzidos pelo nosso próprio organismo, independentemente da fonte da qual se origina (assim pode ser natural ou sintética).

Abaixo alguns exemplos, para melhor entendimento das diferenças entre as categorias:

  1. Estrógenos conjugados (Premarin): Substância extraída da urina de éguas prenhes com ação hormonal. É uma substância natural, mas não, bioidêntica, porque refere-se aos hormônios produzidos pelas éguas e não pelos seres humanos.
  2. Acetato de medroxiprogesterona (Provera): Substância obtida por síntese química na indústria. É, portanto, sintética, mas não é bioidêntica.
  3. Isoflavona de soja: Fito-hormônio extraído da soja, de origem natural e com alguma atividade hormonal. No entanto, não é bioidêntico aos hormônios humanos.
  4. Estradiol, Estrona, Estriol, DHEA, Pregnenolona, Progesterona, Testosterona, T4, T3: São hormônios bioidênticos aos produzidos pelo organismo humano, independentemente da fonte da qual se originam (natural ou sintética).

A Terapia de Modulação Hormonal Bioidêntica (TMHB): Refere-se ao uso apenas de hormônios bioidênticos, ao invés de substâncias estranhas ao organismo humano, como os hormônios análogos.

Abaixo segue uma descrição resumida da ação dos hormônios bioidênticos utilizados na prática clínica:

DHEA (dehidroepiandrosterona)

É nosso hormônio mais abundante no corpo humano, a produção chega ao seu pico por volta dos 20 anos. Quanto mais envelhecemos, mais cai o nível de DHEA. Aos 40 anos, o organismo produz metade de DHEA que produzia antes.

O DHEA aumenta a energia, melhora a função imune, melhora o humor, melhora a função cognitiva (memória).

Estudos sugerem que, quanto menor o nível de DHEA da pessoa, maior o risco de morte por doenças relacionadas com o envelhecimento.

O DHEA, que é produzido pela glândula adrenal serve como matéria-prima para a fabricação de todos os hormônios esteroides, s como o cortisol, estradiol, testosterona entre outros.

Hormônios da Tireoide T4 e T3

Os hormônios tireoidianos agem em quase todas as células do corpo, e controlam a taxa metabólica, os movimentos das alças intestinais (peristaltismo), e até mesmo a respiração celular (geração de energia).

Quando envelhecemos os níveis de hormônios tireoidianos também declinam. Baixos níveis de hormônios tireoidianos estão associados ao aumento da gordura corporal, diminuição da energia, frio em extremidades do corpo como mãos e pés, aumento do colesterol ruim e perda de memória.

Testosterona Bioidêntica (em homens)

A testosterona no homem é um hormônio produzido principalmente pelos testículos, através do estímulo de hormônio LH produzido pela hipófise.

Com o envelhecimento existe uma queda progressiva da produção da testosterona.

A diminuição da testosterona está ligada ao aumento do risco de doenças cardiovasculares, depressão, perda cognitiva, perda de massa muscular, aumento de gordura corporal e diminuição do libido e ereção masculina.

Testosterona Bioidêntica (em mulheres)

A testosterona apesar de ser um conhecido como hormônio masculino é encontrado tanto em homens como em mulheres, ainda que a quantidade de testosterona no corpo das mulheres seja muito menor, cerca de 20 a 30 x menos que nos homens.

A testosterona na mulher tem fundamental importância na libido, metabolismo das gorduras acumuladas (gerar energia), e no ganho de massa muscular.

Homens e mulheres têm exatamente os mesmos hormônios, o varia são suas proporções em cada sexo.

Estrogênios Bioidênticos

A produção desse hormônio começa na adolescência, quando é responsável pelo aparecimento dos sinais sexuais secundários na mulher, e vai até a menopausa, quando existe uma queda abrupta da produção deste hormônio.

Na menopausa a falta de estrogênio causa as ondas de calor, além de favorecer a depressão, perda de memória, perda lubrificação vaginal, perda da libido, diminuição do brilho da pele, osteoporose e uma redistribuição de gordura corporal, para partes caracteristicamente mais masculinas (barriga).

O estrogênio estimula o crescimento de todos os ossos longos na adolescência, e fortalecimento ósseo na idade adulta, por isso sua falta aumenta a incidência de osteoporose, principalmente nas mulheres.

Estudos recentes têm associado a diminuição do estrogênio com o Mal de Alzheimer, considerando que estrogênio produzido naturalmente pelo nosso organismo é neuroprotetor.

O homem apresenta níveis menores, mas relativamente estáveis de estrogênio na vida adulta.

Progesterona Bioidêntica

A progesterona é produzida principalmente nos ovários na mulher, testículos no homem e pelas adrenais nos dois sexos.

A progesterona age não só no corpo físico, mas também na parte emocional das mulheres.

Na parte emocional leva a mulher a um estado metal mais relaxado, sereno e sociável.

Na parte física, aumenta a densidade óssea ajudando a prevenir a osteoporose, além de ser um diurético natural.

É importante na mulher manter o equilíbrio entre o estrogênio e a progesterona na modulação hormonal.

Hormônio de Crescimento (GH) Bioidêntico 

Recentes estudos têm demonstrado que o GH pode reverter alguns aspectos importantes do envelhecimento.

Baixos níveis de GH no adulto estão correlacionados a perda da qualidade de vida como cansaço, baixa autoestima, depressão, aumento da gordura corporal, osteopenia, diminuição da resistência da atividade física e aumento da mortalidade.

É importante que a reposição de GH seja feito quando seus níveis estão baixos, e não para fins meramente estéticos.

Melatonina

A melatonina é um neuro-hormônio produzido no cérebro, pela glândula Pineal. Tem como principal função regular o sono

A partir dos 20 anos de idade, em média, ocorre diminuição de melatonina entre 10 a 15% a cada década de vida, é por isso, que com o avanço da idade aumentam aa chances de problemas como a insônia.

Recentes descobertas em relação a melatonina têm evidenciado, outras funções importantes além da própria regulação do sono, a melatonina desempenha potente ação antioxidante cerebral (protegendo contra tumores cerebrais), e importante função no antienvelhecimento.

Cortisol Bioidêntico ou Hidrocortisona Base

O cortisol é um hormônio corticosteroide produzido pelas glândulas adrenais, e que está envolvido resposta ao estresse.

É um hormônio essencial para a qualidade e vida, sua deficiência causa sintomas como fadiga, depressão, inflamação e hipotensão.

Sua quantidade em níveis adequados no sangue, são responsáveis pelo aumento de energia (libera a glicose no sangue para ser utilizada), manutenção da pressão arterial e diminuição da inflamação.

Outras funções importantes do cortisol estão na área mental, como o aumento da resistência a situações de stress, com a melhora da capacidade de trabalho.

Controle da liberação de adrenalina, pela ação reguladora do sistema nervoso simpático.

É importante saber que o cortisol deve estar em maior quantidade pela manhã e diminuir lentamente sua concentração no decorrer do dia, a inversão deste padrão, ou seja, diminuição do cortisol pelas manhã e aumento no período da noite, também deve ser corrigido.

Pregnenolona Bioidêntica

É o neuro-hormônio mais importante do corpo, pois é uma molécula essencial para formação de vários hormônios, como: estradiol, progesterona, DHEA e testosterona.

Também existe em abundancia nas mitocôndrias de células nervosas e das adrenais. Como a maioria dos hormônios anabólicos (formadores de tecidos) ele começa a declinar após os 30 anos de idade.

Estudos apontam que pregnenolona pode ajudar na melhora da memória pois têm função de neurotransmissor, e estimulador da neurogênese (formação de neurônios novos) comprovado em estudos em animais.

Ao contrário do que os neurocientistas antigos afirmavam, o cérebro é sim, capaz de formar neurônios novos.

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

 

 

Dr Fabio Pisani, 2017
Leia Mais
depressão

Flora intestinal, saiba qual é o papel dela nas depressões

Já há algum tempo, medicina vem reconhecendo o papel que o intestino tem sobre o funcionamento de cérebro. Sabemos hoje que ele pode influenciar nosso humor e nosso comportamento. Não é à toa que o chamam de segundo cérebro.

Problemas como a depressão, por exemplo, podem não estar ligados apenas a um desequilíbrio dos neurotransmissores cerebrais, mas podem também estar associados ao desequilíbrio da microbiota intestinal.

flora intestinal depressão
flora intestinal depressão

A Conexão cérebro-intestinal

A conexão intestino-cérebro é conhecida já há algum tempo pela medicina. Existem várias evidências do envolvimento gastrointestinal em diversas doenças neurológicas e psiquiátricas. O equilíbrio da flora intestinal pode exercer um papel importante em nossos aspectos psicológicos e comportamentais.

É interessante lembrar, que, cérebro e intestino a mesma origem embrionária. Durante o desenvolvimento fetal, uma parte se transforma no sistema nervoso central enquanto a outra se transforma no sistema nervoso entérico.

Tendo isso em mente, fica claro como é importante cuidar da nossa flora intestinal durante a vida toda.

Cérebro e intestino são conectados pelo nervo vago, que vai do tronco cerebral até o abdômen. Esta conexão explica por exemplo, o frio na barriga quando estamos nervosos. E também porque a saúde intestinal pode ter influência na saúde mental e vice-versa.

Em decorrência do exposto acima, podemos deduzir a importância da alimentação para nossas emoções e nosso comportamento.

Excesso de higiene está afetando nossa saúde

Estudos mostram que os índices de depressão vêm aumentando mais entre os jovens do entre os mais idosos.

Isso pode ter várias origens, mais dois fatos associados à microbiota intestinas se destacam.

Parto via cesariana 

O primeiro está ligado ao parto. Antigamente maioria dos partos eram normais, poucos requeriam uma cesariana, hoje este panorama mudou muito. O parto normal é via pela qual temos o nosso primeiro contato com os micro-organismos que irão colonizar nosso intestino e formar a nossa microbiota. A ausência destes micro-organismos, a falta do leite materno e o uso de antibióticos, afetam de modo profundo tanto a nossa imunidade, quanto o eixo intestino-cérebro. Pessoas mais velhas têm mais chance de terem nascido de parto normal, portanto, têm mais chances de terem uma flora intestinal mais saudável.

O excesso de higiene

O outro fator que dificulta a formação de uma microbiota intestinal saudável, é o excesso de higiene, por incrível que pareça. Nas últimas décadas, as crianças de países desenvolvidos, vem sendo cada vez menos expostas aos micróbios, tanto fora quanto dentro do corpo, a sociedade moderna ficou muito limpa e pasteurizada. Claro que isso tem seu lado bom, mas a outra face da moeda é a pobreza da nossa flora intestinal.

Quando retiramos todas essas bactérias dos nossos filhos, seu sistema imunológico fica mais fraco e não mais forte.

80% do nosso sistema imune está nos intestinos, pois é a principal via de entrada dos micro-organismo no nosso corpo.

Microbiota intestinal

Uma boa flora intestinal e uma permeabilidade intestinal adequada, são extremamente importantes para evitar que se instale em nosso corpo, um tipo de inflamação crônica assintomática, que está na raiz de quase todas as doenças crônico-degenerativas, como as doenças cardiovasculares, diabetes e a depressão.

A nossa microbiota pode ser reequilibrada pelo uso regular de alimentos fermentados como o Kefir e o Natto. Porém, penso que a via mais prática é o uso de pró e prebióticos, pois na cultura ocidental, ainda são poucos os que se adaptam a consumir Nato e Kefir.

Associação dos problemas Intestinais com os distúrbios cerebrais

Problemas intestinais como intolerância ao glúten e a hiper permeabilidade intestinal, estão associadas não apenas à depressão, mas também outras alterações cerebrais, como o autismo, por exemplo. Tanto os casos de autismo, quanto os de depressão tendem a melhorar com o uso de probióticos ou de alimentos fermentados.

Benefícios dos Probióticos para a nossa saúde

Nosso corpo contém cerca de 10 trilhões de células e 100 trilhões de bactérias. Quando nossa microbiota está equilibrada, temos 90% de bons micro-organismos e 15% de maus.

Uma boa flora intestinal também é importante para:

 

  1. Proteger contra a proliferação excessiva de outros micro-organismos patogênicos
  2. Digestão de alimentos e absorção de nutrientes
  3. Produção de vitaminas, absorção de minerais e eliminação de toxinas
  4. Prevenção de alergias

Gases, cansaço, desejo doce, náuseas, cefaleia, constipação, diarreia, podem ser sinais de excesso de bactérias patogênicas no intestino.

Fatores que desequilibram nossa biota intestinal

A microbiota intestinal, não está isolada do nosso corpo, muito pelo contrário, ela é muito sensível ao nosso estilo de vida e dieta. Abaixo seguem alguns fatores que prejudicam nossa flora intestinal:

  1. Antibióticos
  2. Anti-inflamatórios
  3. Água clorada
  4. Sabonete antibacteriano
  5. Agrotóxicos e pesticidas
  6. Metais tóxicos
  7. Poluição

Como é praticamente impossível que evitemos todos estes fatores acima, é importante que regularmente façamos o uso de probióticos, para recompor nossa flora intestinal.

Dicas para melhorar a flora intestinal

 Pelo simples fato de que 80% do sistema imunológico esteja localizado no intestino, precisamos repovoá-lo com bactérias boas regularmente. E também pelo impacto que o intestino tem no nosso cérebro, devemos dedicar uma boa parte da nossa atenção para mantê-lo saudável.

Além de uma alimentação saudável, podemos ajudar nosso intestino, usando os alimentos fermentados já citados, e também fazer uma suplementação com pré e probióticos. Além de, claro evitar antibióticos, metais tóxicos.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

 

 

Dr Fabio Pisani, 2017
Leia Mais
Vitamina K2

Osteoporose, saiba como as vitaminas K e D podem prevenir e tratar

Há muitas décadas sabemos da importância da vitamina D para a absorção do cálcio pelos ossos e prevenção da osteoporose.

Mas uma descoberta mais recente, foi que a vitamina K2, também tem importante papel, não só no direcionamento do cálcio para os ossos, mas também na remoção dos depósitos patológicos de cálcio, como nas artérias por exemplo.

Cálcio e vitaminas K2 e D3, um trio contra a osteoporose

A associação das vitaminas K2 D3 e cálcio, tem se mostrado eficaz na prevenção de fraturas em mulheres na pós-menopausa.

Atualmente já foram encontrados 23 subtipos de vitaminas K., porém as mais importantes são a K1 e a K2, abaixo temos as diferenças básicas entre elas:

Diferenças entre as vitaminas K1 e K2

osteoporose tratamento vitaminas d k
osteoporose tratamento vitaminas d k

Vitamina K1: encontrada nas verduras. Ela vai diretamente para o fígado e ajuda a manter o sistema de coagulação saudável.

Vitamina K2: é produzida pelas bactérias intestinais. Apesar de presente em altas quantidades no intestino, infelizmente não é absorvida ali e é eliminada pelas fezes. A vitamina K2 suplementada vai diretamente para as paredes dos vasos, ossos e tecidos que não pertencem ao fígado.

Existem várias formas diferentes de vitamina K2: MK4, MK7, MK8 e MK9.

O tipo de vitamina K2 com maiores benefícios à saúde é a MK7, que tem uma atuação mais prolongada

A MK7 é extraída do produto de soja fermentado chamado Natto.

Vitamina K2 e osteoporose

Pesquisas recentes apontam os efeitos protetores da vitamina K2 contra a osteoporose:

Várias pesquisas japonesas mostraram que a vitamina K2 reverteu totalmente a perda óssea e, em alguns casos, até aumentou a massa óssea de pessoas com osteoporose.

Sete testes japoneses mostraram que a suplementação com vitamina K2 gera uma redução de 60% nas fraturas vertebrais e uma redução de 80% nas fraturas de quadril e outras não vertebrais.

Por que devemos usar Cálcio, K2 e D3 juntas?

Se você usa vitamina D e cálcio para prevenção de osteoporose, é muito recomendável que passe a utilizar também a vitamina K2.

A presença de cálcio e vitamina D no sangue, não é suficiente para que este cálcio seja fixado nos ossos. O mais provável é que ele vá se fixar onde não deve, nas paredes dos vasos, ou calcificando algum tecido mole.

Hoje sabemos que os benefícios do cálcio e da vitamina D são muito dependentes da vitamina K2

Cálcio e K2

Estudos mostram que a K2 direciona o cálcio para os ossos, ao mesmo tempo que evita que ele seja depositado nos órgãos, espaços articulares e artérias. Uma grande parte da placa ateromatosa é formada por depósitos de cálcio.

É este depósito de cálcio que vai endurecendo os vasos, produzindo aterosclerose.

A vitamina K2 ativa um hormônio chamado osteocalcina, produzido pelos osteoblastos, que é necessário para fixar o cálcio à matriz do osso. Que é feita de colágeno. A osteocalcina também parece evitar que o cálcio se deposite nas artérias.

Portanto, ao mesmo tempo que aumentar o cálcio é bom para os ossos, não é tão bom para as artérias, que podem ficar calcificadas. A vitamina K2 ajuda a proteger os vasos sanguíneos contra calcificação quando há altos níveis de cálcio.

Vitamina D3 e K2

Conforme mencionado, a vitamina D3 ajuda o corpo a absorver cálcio, mas a vitamina K2 direciona esse cálcio para o esqueleto, onde é necessário. A vitamina D3 controla a entrada do cálcio, e a vitamina K2 o direciona para onde é preciso.

Sem a ajuda da vitamina K2, o cálcio que sua vitamina D3 deixa entrar de modo tão eficaz pode funcionar contra o nosso organismo, acumulando-se nas artérias e não nos ossos.

Existem evidências de que a segurança da vitamina D3 depende da vitamina K2, e que a toxicidade da vitamina D (embora muito rara com a forma D3) é na realidade causada pela deficiência de vitamina K2.

Fontes naturais de Cálcio, D3 e K2

Boas fontes incluem o leite de vaca e o queijo de vacas, verduras folhosas, sementes de gergelim e germe de trigo.

É importante salientar que, o leite, embora tenha uma das maiores concentrações de cálcio, tem uma biodisponibilidade relativamente baixa, em torno de 30%.

Os vegetais e alguns tipos de algas tem um cálcio mais biodisponível, apesar de ser em menor quantidade.

O cálcio de fontes alimentares é geralmente melhor absorvido e utilizado do que o cálcio de suplementos, que pode aumentar o risco de ataque cardíaco ou derrames cerebrais.

Para aumentar a vitamina D3, a exposição da pele à luz solar natural é a melhor e mais barata maneira opção para se obter uma quantidade suficiente desse nutriente tão importante.

Exposição inteligente ao sol

É importante frisar que a nossa produção de vitamina D e ativada pela exposição aos raios de sol UVB, que NÃO ocorrem ao longo de todo o dia.

O melhor período de exposição, é entre 10 e 15 horas! Meio dia é o melhor horário, basta, de acordo com o tipo de pele uma exposição de 10 minutos diários, sem protetor solar, claro.

Sei que esta indicação contraria as recomendações dermatológicas vigentes, como a exposição é muito curta, praticamente não há riscos para a saúde.

Quando foi descoberta, a vitamina D foi classificada no grupo das vitaminas, como o próprio nome diz. Mas estudos mais recentes, mostram que na verdade, ela deva ser classificada com um hormônio esteroide.

A vitamina D, obtida pela exposição à luz solar atua como um pró-hormônio, convertendo-se rapidamente em nossa pele em 25-hidroxi vitamina D, ou vitamina D3.

O ideal para otimizar o nível de vitamina K2, é o uso de suplementos mesmo, pois o alimento mais rico em K2 é o Natto, e sabemos que Natto não para qualquer paladar. Fontes alimentares como verduras folhosas, queijos de leite de vaca, contém a K2, mas em baixa concentração.

Vitamina D3 pode ajudar na hipertensão arterial

Cientistas que estudaram os efeitos da suplementação com vitamina D3 na saúde cardíaca revelaram que os pacientes com pressão alta podem melhorar significativamente seu estado tomando apenas o suplemento, desde que apresentem baixos níveis desta vitamina.

Tanto a vitamina D3 quanto a vitamina K2 são importantes para a saúde do cardiovascular, pois elas funcionam juntas para aumentar a Proteína GLA da Matriz (ou MGP), proteína responsável por proteger os vasos sanguíneos contra calcificação.

4 Dicas para proteger os ossos

Uma alimentação rica em alimentos integrais frescos e crus que aumente os minerais naturais para que seu corpo tenha a matéria-prima necessária para realizar suas ações, é uma das melhores maneiras para manter os ossos sempre saudáveis.

Também é preciso expor-se ao sol e fazer exercícios, principalmente musculação regularmente.

 

Dr. Fabio Pisani

 

** Consultas nas áreas de Ortomolecular e Acupuntura são apenas particulares**

 

Site: www.fabiopisani.med.br

 

Medicina Ortomolecular I Acupuntura Médica I Fitoterapia Chinesa

Título pela AMHB de especialização em Homeopatia em 1990

Título pelo CBA de especialização em Acupuntura em 1993 

CRM 43711

R Dr. Vieira Bueno, 142, Cambuí

Campinas, SP, CEP 13024-040

Fones: (19) 3254-4012 e 3254-0747

E-mail: drfabiopisani@gmail.com

 

 

 

Dr Fabio Pisani, 2017
Leia Mais